Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Confira 10 dicas para a escolha do melhor ERP

Publicidade

Especialista em implementação e melhoria de processos operacionais e diretor da PLK Consulting, Edgar Marçon, preparou algumas dicas para auxiliar a empresa de saúde na escolha do melhor sistema de gestão – ERP (Enterprise Resource Planning).

 Marçon ressalta que a escolha do sistema impacta de forma direta na atuação da empresa do setor de saúde, portanto, a maturidade e estabilidade da solução devem ser fortemente consideradas. “Tenha em mente que se trata de uma escolha para mais de uma década, é importante que a visão seja global, uma vez que é alto o risco de tomar uma decisão com pouca base ou com informações superficiais”, explicou Marçon.

Confira 10 dicas para escolha de ERP:

1. Definir previamente as necessidades, focos e prioridades do ramo da saúde, além de identificar o real objetivo de implantar o novo sistema;

2. Envolver os principais usuários que serão os responsáveis pela implantação desde o inicio do processo, participando inclusive da escolha do Sistema;

3. Comparar os sistemas, em bases homogêneas, priorizando processos mais importantes para o segmento da saúde, não apenas os que atualmente requerem melhorias;

4. A definição deve ser feita por comitê com autonomia de decisão, tendo representação das diversas áreas da organização e, se for necessário, incluir um diretor e colaborador da área de compras para negociação;

5. Verificar a capacitação e experiência de implantação do parceiro, comprometimento que terá com o projeto e o nível de conhecimento dos consultores que estarão participando da implantação;

6. Antes da definição final, procure visitar clientes usuário do sistema de preferência que tenham o mesmo porte e que também atue no mercado de saúde para conhecer as experiências no processo de implantação, dificuldades de configurações, etc. Incluir também a referencia prática da dimensão dos recursos de infra-estrutura, assim será possível coletar sugestões e reduzir riscos na implantação;

7. Manter a visão holística e plana, verificando o atendimento dos processos da empresa de forma integrada;

8. Avaliar a tecnologia aplicada no sistema verificando a atualização, se está dentro das tendências e se há pessoal capacitado disponível;

9. Avaliar o sistema por pontuação em critérios previamente definidos e ponderados conforme a necessidade da empresa do ramo, a pontuação deve ser definida pelo comitê;

10. A avaliação dos valores financeiros deve incluir o valor de compra das licenças, custo de manutenção para no mínimo três anos, custo da implementação, de mão de obra extra ou pós implementação, além de verificar como será a cobrança de viagens e estadias dos consultores.

Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/#!/sb_web e fique por dentro das principais notícias de Saúde.

 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta