✉️ NEWSLETTER Assine gratuitamente e atualize-se semanalmente Assinar

Como a norma de cabeamento TIA 1179 impacta as instituições de saúde

Publicidade

Norma americana TIA 1179 estabelece requisitos para a infraestrutura de rede das instituições de saúde. Especialistas apostam que a regulamentação será incorporada aos processos de certificação internacional.

A Commscope, empresa que atua no segmento de infraestrutura, desenvolveu um guia com perguntas e respostas sobre a Norma TIA 1179. Veja a seguir:

O que é TIA-1179?
R. Healthcare Facilities Telecommunications Infrastructure Standard (a Norma sobre Infraestrutura de Telecomunicações em Instalações do segmento de saúde) ou TIA-1179 (daqui em diante mencionada como a ?Norma?) trata sobre o cabeamento em instalações do segmento de saúde. A Norma especifica cabeamento, topologias de cabeamento, distâncias de cabeamento, trechos, áreas de trabalho e outros requisitos complementares.
Por que existe uma Norma de cabeamento específico para instalações do segmento de saúde?
R. Os requisitos de cabeamento nas instalações do segmento de saúde podem ser muito mais complexos do que em um edifício comercial padrão ou em um espaço de escritórios, os quais são cobertos pela serie de normas TIA-568. A norma TIA-1179 foi criada para tratar os requisitos únicos das instalações do segmento de saúde.
P. Como a norma TIA-1179 me ajudará?
R. Se as diretrizes e recomendações da Norma forem seguidas, os arquitetos e projetistas de redes podem ter a confiança em que a infraestrutura de cabeamento que estão desenvolvendo esta pronta para suportar as aplicações de hoje e também as do futuro. Apesar de não descrever todos os aspectos da infraestrutura de cabeamento, a Norma e útil como ponto de partida para saber como e possível desenvolver e programar um sistema efetivo.
P. Que sistemas são compatíveis com o cabeamento descrito pela Norma TIA-1179?
R. Segundo a norma TIA: ?Além dos sistemas de telecomunicações, o cabeamento de telecomunicações.especificado esta orientado para permitir o funcionamento de uma ampla gama de sistemas médicos e não médicos (RFID, BAS, sistema de intercomunicação, segurança, controle de acesso, estoque
farmacêutico, etc.), particularmente aqueles que utilizam ou podem utilizar uma infraestrutura baseada em IP?. Isto inclui os sistemas baseados na norma IP, assim como os sistemas de baixa voltagem, tais como os sistemas de controle de iluminação, de HVAC (ar-condicionado, aquecimento e ventilação), intercomunicação e controle de segurança que podem ser executados sobre cabeamento estruturado.
Em  que se diferencia a norma TIA-1179 com relação à série de normas TIA-568?
R. Embora a estrutura de cabeamento especificada na norma TIA-1179 se baseie nas normas TIA-568, a norma TIA-1179 vai alem ao descrever os requisitos únicos das instalações do segmento de saúde para salas de ingresso, salas de equipamentos, salas de telecomunicações e gabinetes, backbone, cabeamento horizontal e areas de trabalho.
P. Quais requisitos únicos a norma TIA-1179 descreve?
R. Assim como ha varias diferenças entre os edificios comerciais padrão e as instalações do segmento de saúde, também há varias diferenças entre a serie de normas TIA-568 e a Norma TIA-1179, entre as quais incluem-se:
? A recomendação de no mínimo dois canais diferentes entre a sala de entradas e as salas de equipamentos.
? Um fator de crescimento estimado em 100% (folga) para as salas de equipamentos e salas de telecomunicações.
? A recomendação de implementar canais fechados em espaços de gerenciamento de ar para cumprir com os requisitos de controle de infecções (ICRs).
? Separação dos cabos para diferentes redes e aplicações para compatibilizar com os protocolos relativos à segurança e proteção pessoal. Esta separação pode ser física (separando os canais de cabos) e visual (cabos de diferentes cores para diferentes redes).
? Densidade do terminal da área de trabalho (ver a pagina seguinte)
P. Como se define uma área de trabalho?
R. Possivelmente o aspecto mais importante da norma TIA-1179 e a definição de áreas de trabalho. Os autores da Norma incluem a necessidade única de contar com diferentes áreas de trabalho em instalações do segmento de saúde. Os requisitos de cabeamento para uma sala de espera são muito diferentes aos dos quartos dos pacientes ou a sala de enfermaria, por exemplo. Para refletir estes requisitos únicos, a Norma define 11 classificações de áreas de trabalho, entre as quais incluem-se:
? Serviços ao Paciente
? Cirurgia/Procedimentos/Sala de Operações
? Emergências
? Cuidados ambulatoriais
? Saúde feminina
? Diagnostico e Tratamento
? Recuperação
? Serviços/Suporte
? Instalações
? Administração
? Cuidados intensivos (UTI)
Cada uma destas categorias contem subgrupos específicos de áreas de trabalho, levando o numero total de áreas de trabalho definidas a 75.
A cada área de trabalho e recomendada uma densidade qualificada como Baixa, Media ou Alta, o que fornece um guia sobre quantos pontos de rede são apropriados segundo o tipo de espaço.
? A baixa densidade e definida entre 2 e 6 pontos de rede.
? A densidade media e definida entre 6 e 14 pontos de rede.
? A densidade alta e definida para áreas de trabalho que devem contar com mais de 14 pontos de rede.
Se estas diretrizes forem seguidas, prevê-se bastante espaço para conexões adicionais no futuro e a capacidade para realizar conexões temporárias nas áreas de trabalho onde forem importantes.
P. Que tipo de cabeamento (ou meios) a norma TIA-1179 reconhece?
R. Para o cabeamento de par trancado, recomenda-se em geral o cabeamento Categoria 6 ou superior, mas para as novas instalações recomenda-se a Categoria 6A. Para fibra, a Norma recomenda cabeamento multímodo de 50/125 otimizado por laser de 850 nm. O cabeamento monomodo também e reconhecido.
P. Exige-se o cumprimento com a Norma TIA-1179?
R. Embora o cumprimento com a norma TIA-1179 não seja exigido, ao seguir a Norma o projetista pode sentir a tranquilidade de que sua infraestrutura de cabeamento não só será compatível com as aplicações de hoje, mas também com as futuras. Deve ser considerado como uma das melhores práticas da indústria.
 
LEIA MAIS
Telecom: a hora de se adequar

       
Publicidade

Deixe uma resposta