Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Comércio Varejista: o padrão do varejo

Publicidade

Segundo dados divulgados pelo IBGE, o volume de vendas do comércio varejista em outubro, com dados já ajustados sazonalmente, avançou 0,4%, configurando-se no sexto crescimento seguido da série. No confronto com o mesmo mês de 2009, o volume de vendas apresentou elevação de 8,8%, a menor variação desde novembro de 2009 (8,6%). No acumulado nos dez primeiros meses do ano, frente mesmo período de 2009, verificou-se incremento de 11,1% do volume de vendas. Já a variação acumulada nos últimos 12 meses encerrados em outubro foi de 10,7%.
Na série ajustada sazonalmente, metade das dez atividades pesquisadas assinalou crescimento no volume de vendas. Os destaques positivos foram: Veículos e motos, partes e peças (6,8%), Livros, jornais, revistas e papelaria (4,7%), Móveis e eletrodomésticos (2,3%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (1,7%), Tecidos, vestuário e calçados (1,4%) e Material de construção (0,0%). Em sentido oposto, pressionado negativamente a taxa geral, ficaram os setores de Combustíveis e lubrificantes (-0,2%), Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,2%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-2,0%) e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-10,0%).
Conheça outras análises macroeconômicas no portal do Iedi.
Na comparação mensal (mês/ mesmo mês do ano anterior), todas atividades comerciais apresentaram crescimento, cujas variações, por ordem de contribuição, foram: Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (6,7%), Móveis e eletrodomésticos (15,4%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (9,9%), Tecidos, vestuário e calçados (9,9%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (9,9%), Combustíveis e lubrificantes (5,1%), Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (12,6%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (15,9%). No caso do comércio varejista ampliado, a variação positiva de 11,2% deveu-se ao avanço expressivo tanto de Veículos, motos, partes e peças (16,0%) quanto do Material de construção (8,9%).
No acumulado entre janeiro e outubro de 2010, em comparação ao mesmo período de 2009, todos os setores apresentaram resultados positivos, com destaque para Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (24,4%), móveis e eletrodomésticos (18,1%) e material de construção (15,6%).
Regiões. A partir dos dados de volume de vendas dessazonalizados, na comparação de outubro /setembro de 2010, verificou-se que das 27 regiões contempladas pela pesquisa, 14 obtiveram resultados positivos, com destaque para Rio Grande do Norte (3,7%), Distrito Federal (3,3%), Goiás (2,0%) e Bahia (1,7%). Por outro lado, as maiores pressões negativas ocorreram em Roraima (-8,1%), Paraíba (-3,4%), Amapá (-3,0%) e Alagoas (-1,0%).
No confronto com mesmo mês do ano anterior, todos os estados avançaram no volume de vendas do comércio com destaque para: Tocantins (73,0%), Rondônia (28,8%), Roraima (27,2%), Maranhão (20,4%) e Acre (20,0%). Em termos de participação na composição da taxa global, destacaram-se São Paulo (7,5%), Rio de Janeiro (10,8%), Minas Gerais (8,8%), Rio Grande do Sul (9,2%) e Paraná (8,1%). No acumulado no ano, temos que das 27 regiões pesquisa nenhuma apresentou recuo. Os destaques positivos, por ordem decrescente de magnitude da taxa de crescimento foram: de contribuição, foram: Tocantins (52,1%), Rondônia (30,6%), Acre (23,6%), Roraima (21,1%), Mato Grosso (19,5%) e Paraíba (19,0%).
Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/#!/sb_web e fique por dentro das principais notícias de Saúde.
 
 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta