Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

CNS vai enviar comissão para investigar crise da saúde no Rio Grande do Norte

Publicidade

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) vai enviar uma comissão para verificar a situação da saúde pública no Rio Grande do Norte, principalmente em Natal.
Deixe o seu comentário sobre esta notícia
Tem mais informações sobre o tema? Então, clique
A decisão foi tomada ontem, em Brasília, no segundo dia da primeira reunião ordinária órgão em 2009, quando foram ouvidas entidades potiguares de trabalhadores e de usuários do sistema de saúde e o Conselho Estadual de Saúde.
O estado enfrenta problemas com a prestação de serviços de cooperativas médicas, que, segundo o presidente do CNS, Francisco Batista Júnior, recebem altos repasses do governo estadual, mas tem contratação irregular. De acordo com ele, cada ano, quando há necessidade de renovação dos contratos, os médicos das cooperativas fazem paralisações, deixando a população sem atendimento.
“Por entender que, ano após ano, esse processo de contratação ilegal e inconstitucional vem deixando a população refém de grupos e corporações organizadas, é que os conselhos de saúde no estado resolveram recorrer ao Conselho Nacional de Saúde” afirmou Batista em entrevista à Rádio Nacional.
A Comissão visitará Natal na primeira semana de março e deve realizar uma audiência pública com as autoridades responsáveis. Outra proposta dos conselheiros é que a Polícia Federal investigue mortes ocorridas em decorrência da falta de atendimento das cooperativas médicas contratadas no estado.
Segundo ele, o processo de terceirização de mão-de-obra especializada no governo do estado e na prefeitura de Natal teve início há, aproximadamente, oito anos, com a criação de uma cooperativa de anestesiologistas. 
De acordo com o presidente do CNS, o Ministério da Saúde e o governo federal já firmaram posição considerando inconstitucional os processos de terceirização dessa mão-de-obra.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta