Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Cientistas da USP desenvolvem exame para Neurocisticercose

Publicidade

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP desenvolveram um novo exame capaz de diagnosticar com maior precisão o parasita Taenia solium, que desenvolve a ?neurocisticercose? – doença parasitária do sistema nervoso central. A equipe demonstrou pela primeira vez que o DNA do invasor está presente no líquor (líquido cefalorraquiano que envolve o cérebro). E desenvolveu um exame de detecção molecular da presença do parasita baseado na amplificação do DNA pelo método PCR (reação de polimerase em cadeia). Ao avaliar 30 pacientes com a neurocisticercose, o novo método exibiu uma sensibilidade de 96,7% na detecção do parasita. Deu positivo para 29 deles. A moléstia se caracteriza pela instalação no cérebro de uma larva adquirida pela ingestão de alimentos contaminados com ovos da Taenia solium – que podem se alojar em suínos. Identificado como um grande problema de saúde pública, a doença é encontrada em amplas regiões da América Latina, da Ásia e da África, produzindo males neuropsiquiátricos e matando entre 15% e 25% de suas vítimas. No Brasil é endêmica em várias regiões e atinge em média 140 mil pessoas.
A equipe foi liderada pelo especialista em genética molecular Emmanuel Dias Neto, do Laboratório de Neurociências da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), e contou com a parceria do Departamento de Neurologia da FMUSP, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP e da Faculdade de Medicina da USP em Ribeirão Preto. O projeto foi financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Associação Beneficente Alzira Denise Hertzog Silva (Abadhs).

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta