🚀 HIS 17 Última chance: Mais de 5.000 inscritos! E você? Já emitiu sua credencial gratuita Clique aqui

Centrinho cria rede de associações de pais de portadores de fissuras labiopalatais

Publicidade

A partir de uma iniciativa do Centrinho, de Bauru (SP), foi criada a primeira Rede de Associações de Pais e Portadores de Fissuras Labiopalatais, a Rede Profis. Com isso, as 45 associações espalhadas por 14 estados brasileiros podem trocar informações e contar com o suporte da rede para tirar dúvidas administrativas e organizar ações de capacitação, informa a Agência USP. Concebido por Maria Inês Gândara Graciano, assistente social e diretora do serviço social do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da USP – o Centrinho, o projeto de criação da Rede Profis foi aprovado em maio de 2002 pela Fapesp, que forneceu R$ 27,6 mil para o desenvolvimento da primeira fase, iniciada em outubro do mesmo ano.
Com essa verba, foram comprados os equipamentos necessários para a sede da Rede – computadores, scanners, data-show – e montada a equipe de apoio e suporte. A equipe é formada por pesquisadores do Centrinho e da Profis (Sociedade de Promoção Social do Fissurado Labiopalatal) de Bauru – primeira entidade a reunir pais e portadores de fissuras labiopalatais, fundada em 1975.

       
Publicidade

Deixe uma resposta

Centrinho cria rede de associações de pais de portadores de fissuras labiopalatais

Publicidade

A partir de uma iniciativa do Centrinho, de Bauru (SP), foi criada a primeira Rede de Associações de Pais e Portadores de Fissuras Labiopalatais, a Rede Profis. Com isso, as 45 associações espalhadas por 14 estados brasileiros podem trocar informações e contar com o suporte da rede para tirar dúvidas administrativas e organizar ações de capacitação, informa a Agência USP. Concebido por Maria Inês Gândara Graciano, assistente social e diretora do serviço social do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da USP – o Centrinho, o projeto de criação da Rede Profis foi aprovado em maio de 2002 pela Fapesp, que forneceu R$ 27,6 mil para o desenvolvimento da primeira fase, iniciada em outubro do mesmo ano.
Com essa verba, foram comprados os equipamentos necessários para a sede da Rede – computadores, scanners, data-show – e montada a equipe de apoio e suporte. A equipe é formada por pesquisadores do Centrinho e da Profis (Sociedade de Promoção Social do Fissurado Labiopalatal) de Bauru – primeira entidade a reunir pais e portadores de fissuras labiopalatais, fundada em 1975.

       
Publicidade

Deixe uma resposta