HIS17 É hora de mudar a saúde! Faça como seus colegas, participe do HIS. Quero participar da mudança

Capital estrangeiro na Saúde [Infográfico]

Publicidade

Aprovada em janeiro de 2015 (alterada lei 8.080/90 art. 23), a emenda que permite investimentos estrangeiros na Saúde brasileira cria a expectativa de melhora no setor para os pacientes, assim como para a governança empresarial e e adoção de novas tecnologias.

Leia Mais: Especial Capital Estrangeiro na Saúde

Levando em conta que 10,2% do PIB brasileiro é representado pelo setor de saúde e que este está crescendo, pode-se esperar grandes oportunidades advindas de investimentos estrangeiros.

Veja o cenário da saúde brasileira antes da aprovação da emenda:

ice1

ice2

ice3

Em meio a este cenário, hospitais não têm conseguido suprir a demanda dos usuários devido a fatores como: aumento da população idosa, taxas crescentes de ocupação de hospitais, períodos mais longos de internação de estadia e aumento da incidência de doenças crônicas. O Brasil possui um total de 450 mil leitos hospitalares, dos quais 64% são privados e 36% são públicos.

Ambos os setores, privado e público, têm interesse em ampliar a colaboração através de PPPs (Parcerias Público-Privadas). Com a nova mudança regulatória, prospecta-se oportunidades de investimento inéditas no setor de saúde na abordagem das consolidações, no fornecimento de tecnologias e serviços médicos avançados. Os planos de saúde já estão presenciando as mudanças da emenda através da aquisição de empresas como a Amil pela americana United Health e da Intermédica pela Bain Capital.

A partir desses questionamentos sobre o futuro da saúde, uma pesquisa eletrônica elaborada pela KPMG, realizada em janeiro de 2015, coletou a resposta de executivos da saúde, investidores em saúde e autoridades governamentais  mostrando a visão dos entrevistados em relação ao impactos da liberação de investimento de capital estrangeiro na saúde:

ice4

ice5

As respostas da pesquisa traçam as expectativas e possíveis desencadeamentos a partir do capital estrangeiro na saúde, mas qual terá sido o seu impacto no setor daqui a dez anos? Para responder essa pergunta, a mestranda Diana Jardim elaborou um questionário colaborativo para profissionais que atuam no mercado hospitalar a fim de guiar sua tese de mestrado.

São 21 perguntas que levam em torno de 15 minutos para serem respondidas. O público alvo são todos profissionais que atuam no mercado hospitalar brasileiro. Se você deixar o seu contato no final da pesquisa, receberá a íntegra da análise a partir de abril.

RESPONDA AQUI

*O questionário que segue faz parte da dissertação do Mestrado Profissional em Gestão e Negócios, realizado pela Unisinos (Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Porto Alegre – RS) em parceria com a Universidade de Poitiers (França).

Contato:
Diana Indiara Ferreira Jardim é a mestranda responsável por esta pesquisa.
E-mail indiara@yahoo.com / http://lattes.cnpq.br/9313523636799086

*Com informações de pesquisa da KPMG em 2015.

       
Publicidade

Deixe uma resposta