🚀 HIS18 Já conferiu os primeiros palestrantes do HIS? Já são mais de 15! CLIQUE AQUI

Brasil reúne ministros da saúde de 12 países

Publicidade

Os ministros da Saúde de 12 países – Brasil, África do Sul, Angola, Argentina, Bolívia, Cazaquistão, Índia (província de Kerala), Peru, República Dominicana, Suriname, Uruguai e Venezuela – reúnem-se, no próximo final de semana (6 e 7 de dezembro), em Brasília, durante o Seminário Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde – 25 anos da Declaração de Alma-Ata. O evento relembra o jubileu de prata do documento que definiu as diretrizes da atenção básica, assinado durante a Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde, em 1978, em Alma-Ata, Cazaquistão. Este seminário antecede a 12a Conferência Nacional de Saúde, que também será realizada na capital federal, entre 7 e 10 de dezembro, informa a Agência Saúde. Na Conferência de Alma-Ata, em 1978, 134 países e 67 organismos internacionais se comprometeram com a meta de garantir saúde para todos até o ano 2000. Um desafio ainda maior, se considerado que a conferência, organizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e Unicef, definiu saúde não apenas como a ausência de enfermidades, mas como “um estado de completo bem-estar físico, mental e social”, além de um direito humano fundamental. O foco de todo esse trabalho deveria ser a atenção primária à saúde.
Passado um quarto de século, é chegada a hora de reavaliar esse compromisso. Além dos ministros, participam do Seminário de Alma Ata: a diretora internacional da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Mirta Roses Periago; o representante da Opas/OMS no Brasil, Jacobo Finkelman; o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Jong Wook-Lee; o diretor regional do Unicef para as Américas e Caribe, Nils Kastberg; mais especialistas em atenção à saúde dos Estados Unidos, Canadá, Alemanha e Inglaterra.
Segundo a avaliação do presidente da Academia Peruana da Saúde e um dos organizadores do Seminário de Alma-Ata, David Tejada de Rivero, o não cumprimento das metas acordadas há 25 anos deve-se, principalmente, à falta de um entendimento claro sobre os termos da conferência. “A questão da saúde não foi analisada em toda a sua complexidade sócio-econômica. Faltou, por exemplo, observar como outras áreas, entre elas, a educação e o trabalho, estão relacionadas à saúde”. Na visão de Tejada, o mesmo aconteceu com a expressão “atenção primária”, vista apenas como atenção básica, rural, sem especialização.
Observando-se a declaração da Conferência de Alma-Ata, percebe-se que o Sistema Único de Saúde (SUS) segue alguns pontos acordados há 25 anos. De acordo com a Declaração de Alma Ata, “os governos têm responsabilidade sobre a saúde da população”. Este princípio, ao lado da universalidade do atendimento, são justamente as bases do SUS.
Quando o texto da conferência de 1978 menciona que “o povo tem o direito e o dever de participar individual ou coletivamente no planejamento e na implementação da atenção à saúde”, isso pode ser encarado como uma menção à prática do controle social, implementado por lei no Brasil desde 1990. Todos os municípios e estados, e também a União, têm de compor um Conselho de Saúde, para fiscalizar e avaliar as políticas públicas da área. Um conselho (tanto municipal, estadual ou nacional) é formado por usuários do SUS, trabalhadores da saúde, gestores governamentais e prestadores de serviços privados. Além disso, existem também as conferências nacionais de saúde, que ocorrem de quatro em quatro anos e servem para fazer que delegados eleitos em todo o Brasil proponham novas ações ao governo.

       
Publicidade

Deixe uma resposta