Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Bio-Manguinhos quer mudar sistema de gestão

Publicidade

O Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fundação Oswaldo Cruz (Bio-Manguinhos/Fiocruz) completa 35 anos em meio a um movimento para mudar seu sistema de gestão. A ideia é que o instituto tenha legislação própria, que permita que o laboratório, hoje uma autarquia federal, ganhe administração ágil para enfrentar a concorrência de laboratórios privados. A informação é do Estado de S. Paulo.

e receba os destaques em sua caixa de e-mail.   

A instituição encomendou um plano de negócios à Fundação Getúlio Vargas. O diagnóstico é de que Bio-Manguinhos – que tem faturamento anual de R$ 1,5 bilhão – é viável do ponto de vista econômico e financeiro. A proposta de mudar o modelo de gestão será discutida no congresso interno da Fiocruz e apresentada ao Ministério da Saúde no segundo semestre.

Segundo a empresa, a função primordial de Bio-Manguinhos é ser um organismo sem fins lucrativos, que dá suporte às políticas de Estado com relação ao acesso e regulação de preços de vacinas e medicamentos e atende ao Programa Nacional de Imunização. Isso será mantido. No entanto a organização deseja caminhar para se tornar uma subsidiária dependente de uma autarquia federal.

Entre as amarras que Bio-Manguinhos enfrenta está o fato de a instituição não poder recorrer a empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), por conta da Lei de Responsabilidade Fiscal. Outra contradição diz respeito à compra de insumos.

A produção de doses de vacina deu um salto de 80%, em 10 anos – Bio-Manguinhos forneceu 50,6% das vacinas aplicadas no Brasil em 2010. O laboratório também produz biofármacos – medicamentos que combatem anemia por insuficiência renal crônica, em pacientes com aids e oncológicos; e para pacientes com hepatite C. Até 2012 deve ficar pronto o centro de protótipos, uma obra de R$ 400 milhões que fará testes clínicos de vacinas e biofármacos.

O laboratório encerra dizendo que segue a mesma legislação do serviço público. E ressalta que produção industrial requer agilidade, flexibilidade na gestão e autonomia financeira.

Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/#!/sb_web e fique por dentro das principais notícias de Saúde.

 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta