Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Avaliação por amostragem dificulta verificação da qualidade dos medicamentos

Publicidade

Pesquisa desenvolvida na Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP concluiu que o percentual de medicamentos oficialmente avaliados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é insuficiente para definir a qualidade dos medicamentos fabricados e comercializados no País. “Apesar de todos os Estados possuírem Laboratórios de Controle de Qualidade em Saúde a procura é muito superior à estrutura tecnológica e humana que hoje temos”, comenta o farmacêutico José Carlos Valença, que analisou o tema em seu mestrado, informa a Agência USP. De acordo com o pesquisador, no Brasil existe uma rede nacional de 28 laboratórios dos quais dois são centrais, sendo eles o Instituto Nacional de Controle de Qualidade e Saúde (INCQS) – localizado no Rio de Janeiro e referência para os outros – e o Adolpho Lutz, em São Paulo. Somente estes dois fazem todos os ensaios previstos pelos regulamentos sanitários adotados pela Anvisa que inclui análise documental (bula e rótulo), físico-químicas, microbiológicas e ensaios toxicológicos/farmacológicos. Dos demais laboratórios, somente 13 executam algum tipo de verificação da qualidade, comercialização e verificação dos medicamentos em menor escala.
No Rio de Janeiro, o INCQS realizou, no período de 1995 a 2001, análise de 1.776 amostras entre medicamentos e correlatos (desde materiais como seringas a cosméticos e produtos de fins terapêuticos). Na verificação documental de rótulo, bula e embalagem, o laboratório considerou com avaliação final insatisfatória 47,51% do valor total.
Na mesma categoria, o Instituto Adolpho Lutz analisou – de 1999 a 2002 – 1.113 amostras, das quais 26,77% foram consideradas insatisfatórias. “Consideramos isso uma vitória, uma vez que em 1995, a Secretaria de Vigilância Sanitária (hoje Anvisa) iniciou o Programa Nacional de Inspeção em Indústrias Farmacêutica e Famoquínica (PNIFF), o qual contribuiu para a a diminuição das falhas e melhoria da qualidade dos medicamentos produzidos no Brasil”.
Outro valor expressivo é quanto ao teor de princípio ativo fora dos limites especificados pela Vigilância Sanitária. Segundo as amostras do laboratório do Rio, a reprovação chega a 10,12% do total analisado e em São Paulo este valor é maior, correspondendo a 12,96%.
“O que falta é uma priorização política. A sociedade ainda não sabe o que deveria cobrar do Governo em relação aos medicamentos, mas é importante lembrar que a Legislação Sanitária – escrita originalmente em 76 – é tão boa quanto a de outros países”, salienta Valença.
“No caso brasileiro, além dos laboratórios não estarem ainda totalmente estruturados, a população não possui elementos para avaliar a qualidade do produto a ser adquirido, apesar de estar amparada com o Código de Defesa do Consumidor (lei 8.078/90, da Constituição Federal, artigo 5º).”
Para realizar o estudo, Valença ressalta que deparou com dificuldades e obstáculos na obtenção de informações oficiais, haja visto que “a avaliação da qualidade de produtos farmacêuticos envolve muitos interesses e afeta diretamente todos os consumidores que buscam através dos mesmos a cura para os desequilíbrios funcionais”.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta