Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

AS DIFICULDADES DA GEAP COMO EXEMPLO

Publicidade

O setor de saúde suplementar no Brasil movimenta mais de 40 bilhões de reais ao ano com seus 50 milhões de beneficiários, mas a sobrevivência das operadoras tem um futuro incerto, pois a demanda cresce e se nada for feito, os custos serão tão altos que a população não poderá continuar pagando por esse compromisso.

Tomemos como exemplo a GEAP, autogestão em saúde de boa parte dos servidores federais. Segundo ouvi de sua Diretora, Regina Parisi, mais da metade dos seus 700 mil beneficiários tem mais de 59 anos de idade e são, portanto, idosos.

Caso a GEAP não se dedique em tempo integral a cuidar dessa turma, ela – a operadora – não vai sobreviver. Não bastam programas bonitos. Tem que ter atitude diária, proativa, na atenção ao cuidado dos pacientes de alto custo, mas também junto àqueles que se consideram saudáveis e se descuidam da sua saúde por desinformação, negligência ou por falta de recursos. Estes precisam também de um programa de prevenção efetivo com monitoramento permanente.

Tudo isso, sem esquecer do bom relacionamento com a rede, que poderá se unir nessa luta desde que num ambiente mais colaborativo.

Assim como a GEAP, muitos outros planos ainda não se dedicam a programas de promoção da saúde, prevenção de doenças e atenção ao cuidado de forma prioritária e abrangente, como tem que ser feito.

Esta é uma questão de sobrevivência do sistema e de qualidade de vida para todos.

Josué Fermon, Consultor em Saúde Suplementar

www.fermon.com.br

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta