Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Anvisa estipula regra para medicamentos específicos

Publicidade

A Anvisa adotou novas regras para o registro e renovação de medicamentos específicos. Esta categoria engloba aqueles que não se enquadram nas categorias de medicamentos novo, genérico, similar, biológico, fitoterápico ou notificado. É o caso das soluções parenterais, dos produtos para manutenção da hidratação, dos antiácidos, entre outros. A Resolução RDC 24/2011 está publicada no Diário Oficial da União da última sexta-feira (17).
De acordo com a publicação, a principal novidade da norma é a inclusão de novos ingredientes e a possibilidade de regularização de associações de vitaminas e minerais com outros ingredientes (ômega 3, licopeno, quitosana), fitofármacos e antiácidos, dentre outros produtos.
A resolução atual substitui a RDC 132/03 e foi elaborada pela diretoria colegiada da Anvisa e tem como objetivo atender a uma demanda pra aprovação desses produtos no Brasil.
De acordo a Anvisa, as empresas que produzem medicamentos específicos estavam aguardando a publicação dessa norma. E ressalta que não diminuiu ou enfraqueceu a exigência de eficácia, segurança e qualidade desses medicamentos. Além disso, é necessária a apresentação de dados comprobatórios de eficácia, qualidade e segurança do produto.
Principais inovações da norma
?Criar uma definição de medicamento específico que permita a inclusão de vários produtos que são considerados medicamentos, mas que não podiam ser comercializados no país por falta de enquadramento regulatório;
?Deixar claro no regulamento a exigência de Sistema Fechado para Soluções Parenterais de Grande Volume (SPGV);
?Reconhecimento do tempo de mercado para associações com racionalidade terapêutica; e simplificar e dar mais objetividade à sistemática de comprovação da eficácia e segurança desses produtos.
Adequação
Na última sexta-feira, (17), começou a contar o prazo para adequação dos medicamentos. Para os já registrados em outras categorias, o prazo será o momento da renovação de registro do produto.
De acordo com a publicação, serão concedidos três meses para protocolo das adequações necessárias às petições de renovação de registro que já estejam protocoladas na Anvisa.
Já as novas formulações terão 12 meses para protocolar as adequações que tratam do relatório de estabilidade. Nos casos em que as alterações da formulação impliquem em novos estudos de segurança e eficácia para o medicamento, serão concedidos 18 meses de prazo para o relatório conclusivo.
Vale ressaltar que os medicamentos específicos não podem ser incluídos na lista de referência, desse modo não é possível o registro de medicamentos similares ou genéricos a estes medicamentos.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta