✉️ NEWSLETTER Assine gratuitamente e atualize-se semanalmente Assinar

A adoção da Medicina Nuclear

Publicidade

A Medicina Nuclear é uma especialidade médica que faz uso de quantidades mínimas de radiação, por meio de elementos conhecidos como radiofármacos, usados para a realização de exames diagnósticos, tratamentos terapêuticos e apoio de determinados procedimentos cirúrgicos. O seu diferencial , segundo a instituição, consiste na avaliação da função de determinados órgãos e os procedimentos, além de não serem invasivos, são considerados muito seguros.

O Hospital São Rafael (HSR) é apontado como um dos centros de referência em medicina nuclear do país. Recebeu, em 2017, o certificado de qualidade da Sociedade Europeia de Medicina Nuclear – EARL FDG PET/CT Accreditation.

Para Alfredo Martini, Diretor Geral do Hospital São Rafael, os maiores obstáculos encontrados na implementação do Nuclearis foram a mudança de cultura nos serviços de medicina nuclear e as integrações com os sistemas de gestão hospitalar ERP disponíveis nos serviços de medicina nuclear, preservando as inteligências do Nuclearis.

Dado isso, desde 2014, o hospital vem colaborando com o desenvolvimento de um software para gestão em medicina nuclear (Nuclearis) que resultou em mais qualidade, segurança e menos radiação para os usuários.

Os benefícios se estendem para a facilidade no (re) agendamento, movimentação de exames com uma gestão integrada na radiofarmácia e da aquisição de imagens, monitoração das etapas dos processos e facilidade na elaboração dos laudos através do uso da inteligência artificial (IA).

A solução contribui também para o aumento da produtividade com um melhor fluxo da informação entre todos os envolvidos, os custos com radiofármacos podem apresentar a redução de até 30% dos gastos e os indicadores de qualidade (ruído das imagens) contam com o percentual de mais de 20% para toda a população de pacientes.

“Para o Hospital São Rafael, é de extrema importância e muito gratificante apoiar e investir em iniciativas como esta, pois, ao fomentar o aperfeiçoamento das rotinas e processos assistenciais, todos saem ganhando: profissionais envolvidos, instituição e, principalmente, o paciente, que está no centro de nossa atenção e é quem nos motiva a perseguir sempre a inovação e a vanguarda”, afirma Martini.

A aplicação do sistema se apresenta eficaz na padronização da qualidade dos exames, redução dos custos e aumento na segurança do paciente, além de viabilizar as pesquisas clínicas e tornar os processos gerenciais mais efetivos.

Clique aqui para ver o estudo Referências da Saúde 2017 & Top Hospitalar.

       
Publicidade

Deixe uma resposta