Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Acreditação é imprescindível para garantir qualidade e segurança

Publicidade

Presidente da International Society for Quality in Health Care (ISQua) e da Canadian Network for International Surgery, o mestre em Saúde Pública e professor adjunto da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de Alberta e da Faculdade de Medicina da Universidade de British Columbia, Philip Hassen acredita ser fundamental para qualquer organização ter avanços significativos na qualidade e segurança nos cuidados de saúde. Ele assegura que é imprescindível que a liderança, em todos os níveis de uma organização, promova os esforços para acelerar a melhoria de qualidade. Em entrevista exclusiva ao CBA, Philip Hassen comenta sobre o papel dos líderes na promoção da qualidade e segurança do paciente e como a acreditação pode contribuir para essa melhoria.

Philip Hassen: ?Hospitais não acreditados não podem demonstrar se estão prestando bom cuidado e segurança para os pacientes porque não utilizam avaliações externas por profissionais capacitados?

CBA – Qual o papel da liderança na melhoria da qualidade e segurança do paciente?

Philip Hassen – Líderes usam uma série de habilidades e demonstram competência em diversas áreas para avançar na qualidade e na segurança. Por exemplo, é essencial que líderes se envolvam com a equipe para identificar, analisar, implementar soluções e avaliar mudanças. Líderes reconhecem que usando um modelo de melhorias da qualidade e desenvolvendo a capacitação da equipe a fim de melhorar a qualidade e a segurança e que estes benefícios são de longo prazo.

Existe uma enorme quantidade de material escrito sobre a questão dos requisitos de um líder para a melhoria contínua de qualidade e segurança do paciente. Esses incluem a construção de uma cultura aberta, ao invés de uma baseada no medo e na culpa, foco no processo, encontrando as raízes das causas e uso de dados e mensuração. Refletindo sobre os estudos de Charles Vicent, líderes constroem uma cultura de qualidade e segurança, lideram e apóiam equipes, integram gerenciamento de riscos no plano para qualidade e segurança, promovem a notificação de eventos adversos e as oportunidades de melhoria da qualidade, envolvem pacientes e o público, aprendem e dividem lições de qualidade e segurança com outras organizações no mundo, implementam e executam soluções, enquanto monitoram os resultados.

Uma extensa pesquisa sobre liderança de James Kouzes e Barry Posner feita em várias décadas identificou cinco práticas fundamentais de liderança: Estrutura de modelo, Inspirar visão compartilhada, Desafiar o processo, Motivar outros a agir e Incentivar o coração. Liderança é um requisito fundamental para o sucesso e não há uma habilidade melhor que um líder use para melhorar a qualidade e segurança do paciente.

CBA – Comparativamente, qual o nível de qualidade e segurança do paciente entre um hospital sem acreditação e outro já acreditado?

P.H. – Hospitais acreditados têm avaliação externa e imparcial conduzida por seus pares, que avaliam se os padrões estabelecidos estão sendo ou não alcançados. Os padrões são reconhecidos por organismos de acreditação que têm significante experiência e conhecimento sobre se a qualidade e a o cuidado estão sendo realizados. Hospitais não acreditados não podem demonstrar se estão prestando bom cuidado e segurança para pacientes porque não utilizam avaliações externas por profissionais capacitados. Para assegurar aos pacientes e população essa condição, é essencial que os hospitais sejam avaliados externamente com um processo padrão e comum a todos, resultados de processos e estruturas como as que são encontradas em instituições que possuem altos padrões de qualidade e com planos de melhora contínua.

Pode-se pensar que não há evidencias se um hospital não acreditado fornece ou não qualidade e segurança para o paciente, portanto, não tenho conhecimento de qualquer hospital que não seja acreditado e tenha bons padrões nos países desenvolvidos. Sem sombra de dúvidas, hospitais têm que ser acreditados para assegurar para eles mesmos e àqueles que usam seus serviços, que encontrem padrões de qualidade e melhorias constantes.

CBA – Como os hospitais acreditados podem reduzir os danos e melhorar a qualidade e segurança do paciente?

P.H. – Você precisa olhar para os padrões das organizações acreditadoras. Se um hospital encontra, por exemplo, o requerimento de práticas de segurança e qualidade baseado nesses padrões, relacionados às infecções, medicamentos, cirurgias, entre outros, eles serão seguros e prestarão serviços de qualidade mais alta do que aqueles que não têm. Mensurando os resultados dos processos aplicados para melhorias, os hospitais podem demonstrar se o cuidado é seguro e de melhor qualidade. Sem sombra de dúvidas, todos os hospitais que estão melhorando os seus cuidados e segurança têm medido e podem demonstrar essas melhorias. Vou compartilhar alguns dados no Congresso.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta