Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Acordo visa melhoria na produção de hemoderivados

Publicidade

A Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás), estatal do Ministério da Saúde que produzirá medicamentos derivados do sangue a partir de 2014, começou, neste mês de julho, a incentivar 120 hemocentros de todo o país a garantir plasma em quantidade e qualidade suficientes à sua fábrica, em construção em Pernambuco.
Nesta semana, assinam contrato com a empresa o Hemominas (MG), a Fundação Pró-Sangue e a Associação Beneficiente de Coleta de Sangue (Colsan), em São Paulo, o Hemorio e o Hemocentro Regional de Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro. Até o fim do ano, todos devem ter firmado parceria com a estatal.
No intuito de incentivar a melhoria da qualidade do plasma, a Hemobrás repassará às instituições de R$ 20 a R$ 48 para cada litro do insumo que estiver em condições industriais. A contrapartida dos hemocentros será o aperfeiçoamento em seus processos de produção, qualificação e armazenagem do hemocomponente destinado à estatal.
 Isso será possível com o emprego dos recursos na compra de maquinário, manutenção preventiva de equipamentos, contratação de mais profissionais para trabalhar, além da melhoria do controle da qualidade do plasma.
Com o aumento da qualidade, amplia-se o volume do plasma para o processo fabril. Hoje, os serviços de hemoterapia coletam 3,6 milhões de doações de sangue por ano no país, resultando 150 mil litros de plasma com qualidade industrial por ano. No primeiro ano de contrato com os 120 serviços de hemoterapia, a Hemobrás espera ampliar em 20% este total de 150 mil litros.
Dentro de três anos, a expectativa é atingir 300 mil litros de plasma/ano, volume ideal para que a fábrica em Pernambuco comece a operar, pois sua capacidade chegará a 500 mil litros de plasma/ano.
Os 120 hemocentros já repassam à Hemobrás os 150 mil litros de plasma colhido dos doadores que não é usado em transfusão, mas, até então, as unidades não recebiam apoio da estatal nos custos do processo, o que agora será possível devido ao apoio do Ministério da Saúde.
Enquanto sua fábrica não fica pronta, a empresa brasileira envia este hemocomponente para transformação em hemoderivados no Laboratório Francês de Biotecnologia (LFB), na França, seu parceiro de transferência de tecnologia.
 Uma vez elaborados, os medicamentos albumina, imunoglobulina e fatores de coagulação VIII e IX são enviados ao Brasil, onde ocorre a distribuição no Sistema Único de Saúde (SUS) para o tratamento de milhares de pessoas com hemofilia, imunodeficiência primária, câncer, Aids, cirrose, entre outras doenças. Quando a planta industrial brasileira entrar em operação, será assumido todo esse processo, incluindo a produção de fator de von Willebrand e complexo protrombínico.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta