Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

A Produção mais Limpa (PmaisL): a ecoeficiência em um Laboratório de Análises Clínicas

Publicidade

O mundo está passando por diversas transformações ocasionadas pela modernidade e a poluição é um dos maiores agravantes da degradação do meio ambiente. Durante anos a sociedade visou o crescimento econômico a qualquer custo e acreditava-se que isto proporcionaria melhores condições de vida, porém, este crescimento econômico desenfreado causou sérios danos aos ecossistemas. A humanidade sempre utilizou os recursos naturais sem grandes preocupações, mas atualmente a sociedade está tomando consciência de que a variável ambiental é importante e que ela diz respeito a todos.

e receba os destaques em sua caixa de e-mail.     

O artigo 225 da Constituição Federal diz que: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preserva-lo para as presentes e futuras gerações.

Com base nestes acontecimentos, cada vez mais, as empresas buscam melhorar os efeitos negativos de suas ações ao meio ambiente e procuram práticas mais sustentáveis. O programa Produção mais Limpa (PmaisL) aplica uma metodologia que associa benefícios econômicos, ambientais e sociais, baseada na realização de análise criteriosa para avaliar processos, produtos e serviços, podendo demonstrar quantitativamente a  ecoeficiência de uma empresa. A filosofia do projeto PmaisL pode ser aplicada na melhoria de um único processo visando a diminuição de desperdícios, até a efetiva implementação de um Programa de PmaisL. Desta forma, qualquer ação realizada no sentido de observar com novos olhos os processos, produtos e serviços traz inúmeros benefícios.

O World Business Council for Sustainable Development diz que a ecoeficiência é alcançada mediante o fornecimento de bens e serviços a preços competitivos, que satisfaçam as necessidades humanas, tragam qualidade de vida e reduzam progressivamente o impacto ambiental e o consumo de recursos naturais a um nível, no mínimo, equivalente à capacidade de sustentação estimada do planeta.

A implantação do PmaisL proporciona diversas vantagens que, além de minimizar os danos ambientais, reduz os riscos e responsabilidades associados a eles como redução de custos devido a otimização do uso de recursos, maior eficiência e competitividade, o que favorece a inovação; melhoria da imagem e do relacionamento com os órgãos ambientais e com a comunidade, e promoção de condições ótimas de segurança e saúde ocupacional.

Existem casos de sucesso da implantação de PmaisL em empresas de diversos setores, por exemplo, alimentos, gráfica, indústria do vidro, metalúrgica – mecânica, papel e celulose, química – farmacêutica, têxtil, entre outras.

O projeto de implementação de Produção mais Limpa, desenvolvido, em um laboratório de análises clínicas, onde os processos consomem recursos naturais, geram efluentes, que necessitam de tratamento, e resíduos sólidos, tanto perigosos como não perigosos, que precisam de um descarte adequado, é um bom exemplo para comprovar que a metodologia pode e deve ser aplicada à área de saúde com resultados eficientes e grandes benefícios.

Podemos confirmar isso no laboratório Quaglia, localizado na cidade de São José dos Campos. A empresa é preocupada com a qualidade e com o meio ambiente, possui certificação NBR ISO 9001:2000, NBR ISO 14001:2004 e participa do Programa de Acreditação de Laboratórios Clínicos (PALC). Preocupado com a melhoria contínua, participou de um projeto piloto para analisar os benefícios que a metodologia do PmaisL poderia trazer à sua empresa.

Foi elaborada uma planilha de avaliação do potencial de aplicação da metodologia, classificando cada área do laboratório quanto as entradas (material tóxico, insumos e energia), saídas (resíduos sólidos, resíduos sólidos classe I, efluentes líquidos, toxicidade dos efluentes), oportunidades de avanço tecnológico (nível de automação, possível parada para manutenção, falhas ou refugos e tecnologia empregada) e custos envolvidos (insumos, tratamento e disposição de resíduos e manutenção) gerando uma estimativa do potencial de PmaisL. Com base nesta planilha, propusemos medidas de baixo custo que proporcionam benefícios ambientais, econômicos e retorno no curto prazo.

A implementação desta metodologia gera redução de 30% no consumo de água e redução de 27,4% no valor da conta de água com um investimento que terá um “pay back” de 2,7 meses. Em relação a energia elétrica, a implementação foi somente para uma área de uma única unidade de atendimento.O cálculo foi feito com a variável tempo em 50.000 horas e estima-se uma redução do consumo de energia em KW de 55% e economia de 20% no total gasto com energia, incluindo reposição de lâmpadas, reatores e descarte adequado dos resíduos, levando em consideração o valor necessário para implementação do novo sistema. No almoxarifado, a proposta foi a substituição do uso de caixas de papelão por caixas retornáveis, diminuindo o descarte e consumo de recursos naturais utilizados na fabricação das caixas de papelão usadas hoje.

Com esse trabalho foi possível concluir que, mesmo em um laboratório onde já existe uma preocupação com o meio ambiente, a aplicação da metodologia de PmaisL proporciona desempenho econômico associado ao desempenho ambiental, otimizando o consumo de recursos naturais e reduzindo os custos do laboratório, podendo utilizar apenas medidas simples e de baixo custo.

*Carmen Paz Oplustil é sócia da Formato Clínico, empresa que desenvolve projetos em medicina diagnóstica

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicadas refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nesta publicação.

Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/SB_Web e fique por dentro das principais notícias do setor.

 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta