Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

A humanização da medicina

Publicidade

Teoricamente a medicina é 100% humanizada, porque, para exercê-la, é preciso ter foco no indivíduo, na qualidade de vida e bem-estar dos cidadãos. Nesse caso, falar em humanização pode parecer redundante. Em certas situações, fica inclusive a impressão de tratar-se apenas de recurso retórico.

O fato, no entanto, é que vivemos no Brasil, país até bem posicionado na geografia econômica mundial, mas absolutamente miserável em políticas sociais. Dia a dia, vemos na imprensa hospitais sucateados, pacientes jogados em corredores à espera de internação, mal tratados e desrespeitados. Faltam recursos à assistência adequada e, pior do que isso, não há vontade política nem postura cidadã de boa parte dos gestores, tanto nos sistemas público quanto no privado.

Não bastasse a carência de recursos e a incompetência administrativa, há outras agravantes que comprometem a qualidade do atendimento, tornando nossa medicina e a saúde perigosamente desumanizadas. Começamos pela formação médica, cada vez mais frágil e inconsistente. Surgem novas faculdades todos os dias numa roleta russa que visa somente à quantidade. O resultado é um mercado inflado anualmente por profissionais com capacitação insuficiente, representando ameaça à vida dos cidadãos.

Com mão de obra excedente, o Estado e empresários da saúde seguem a cartilha da mercantilização. Praticam honorários vis, obrigando médicos a acumular vários trabalhos para compor uma renda minimamente digna. Assim, boa parte se submete a plantões de 24 horas, seguidos por jornadas de 12 horas no dia seguinte, só para citar um exemplo. Enfim, colocam em risco a própria integridade, além de também por em risco os pacientes.

Todos esses problemas somados à incompetência administrativa, transformam nossa medicina em caso de polícia. Pobre do cidadão que fica doente em um cenário que mais lembra filme de horror.

Diante de tal quadro, humanizar a medicina não é chavão nem exercício de retórica. É uma necessidade imperiosa, que passa pela mudança de mentalidade de todos os agentes do sistema.

Vivemos tempos de grande avanço econômico e tecnológico, mas nada substitui o tratamento humanizado, nada é mais importante do que a medicina à beira do leito. Como sempre digo, o doente deve viver e morrer de mãos dadas com o seu médico.

Não podemos aceitar que pessoas sejam tratadas como o doente do quarto 32, 48, 112. Esse, aliás, é um dos motivos pelo qual lutamos para que as instituições de ensino contemplem em seus currículos temas de cuidados paliativos.

Humanizar a medicina é mais simples do que parece. É formatar a rede de saúde e preparar seus atores para responder de forma adequada às necessidades de assistência dos cidadãos. É olhar o doente, não a doença. É ser humano com o próximo.

*Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica

**As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicadas refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nesta publicação

Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/#!/sb_web e fique por dentro das principais notícias de Saúde.

 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta