Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

A busca das melhores evidências

Publicidade

Diante de um quadro clínico desafiador, como gostaria de ser tratado: com base na experiência profissional do médico, apostando na intuição desse profissional ou seguindo os melhores resultados de estudos científicos e publicações literárias para casos semelhantes ao seu?

Hoje, é visível o desenvolvimento da Medicina, com a descoberta de novos medicamentos, vacinas, tratamentos e equipamentos com alta tecnologia. Mas, para se chegar a esses resultados, a área precisou deixar de lado o achismo e a intuição e investir em pesquisas que oferecessem uma base de dados confiável e comprovável cientificamente.

A atitude mais efetiva de buscar as melhores evidências para um caso clínico específico é recente e passou a ser disseminada na década de 80, no Canadá, na Universidade McMaster. Percebeu-se que era necessário promover a melhoria da assistência à saúde e do ensino, aumentando a eficiência e a qualidade dos serviços e diminuindo os custos operacionais.

Hoje, a Medicina Baseada em Evidências é entendida como uma abordagem que envolve a definição de um problema, a busca e avaliação crítica das evidências disponíveis, implementação das evidências na prática e avaliação dos resultados.

Apesar de recente a Medicina Baseada em Evidências já está se impulsionando no Brasil, sobretudo em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Rio Grande do Sul.

No Estado, a Unimed Vitória criou o núcleo de Medicina Baseada em Evidências, para que os médicos cooperados entendam melhor essa prática e percebam os ganhos de buscar respaldo na literatura.

O núcleo apóia as áreas de tratamento cirúrgico, clínico, diagnóstico e prevenção. A maior demanda tem sido para casos específicos de tratamentos cardiovasculares.

Quando profissionais precisam de ajuda para um caso clínico, eles acionam o grupo de Medicina Baseada em Evidência, que vai buscar na literatura médica mais atualizada os artigos científicos que tenham metodologia válida e resultados confiáveis. Depois são selecionados os melhores, que servem de base para uma síntese do caso. Essa resposta é feita por recomendação e enviada ao médico solicitante.

Mesmo em fase inicial, os resultados já são positivos. Mas, apesar do desenvolvimento da área científica, o trabalho do grupo ainda é difícil porque 90% das publicações científicas da área são inadequadas, com falhas de metodologia, escopo, entre outras.

A solução é buscar fontes de informações mais gabaritadas como o Capes (Portal Brasileiro da Informação Científica), o Projeto Diretrizes (da Associação Médica Brasileira e do Conselho Federal de Medicina), as bibliotecas Cocrahne, Bireme e Pubmed, ou o Up To Date – a maior comunidade clínica no mundo dedicada à síntese de conhecimentos para os médicos.

*Adriano de Souza é ortopedista, auditor médico de especialidade e membro do Núcleo de Medicina Baseada em Evidência da Unimed Vitória.

As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicadas refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da IT Mídia ou quaisquer outros envolvidos nesta publicação.

Você tem Twitter? Então, siga http://twitter.com/SB_Web e fique por dentro das principais notícias do setor.

 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta