Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

1.2.1 Network Saúde discute Governança de TI nos hospitais

Publicidade

Deixar de ser um simples suporte para se tornar aliado estratégico dos gestores dos hospitais. Esse é o grande desafio que os gerentes de TI das instituições de saúde precisam enfrentar para tornar a área eficiente dentro da instituição. “Não existe governança em TI sem alinhamento com a governança corporativa e com os negócios. A proposta de se avançar nessa questão tem que partir do primeiro escalão”, enfatizou o CEO da Convergence, Roberto Magalhães, em sua apresentação no 1.2.1 Network Saúde, realizado na manhã desta quinta-feira, 24, na sede da IT Mídia. O encontro reuniu 21 executivos de TI de hospitais. ,13, ,13,Mais do que alinhar pessoas, processos e recursos, ter índices de monitoramento, acordos de entrega, a Governança em TI precisa olhar para as estruturas do negócio do hospital, e contribuir para o crescimento. “Quando se está maduro em Governança em TI, as decisões e ações da área estarão sempre alinhadas com o planejamento estratégico da organização”, destacou. ,13,Além das dificuldades, o consultor falou sobre as ferramentas disponíveis no mercado e que auxiliam na evolução da Governança em TI, como o Itil, o Cobit, o Val IT, Risk IT, e o PMBok, além das normas ABNT 20000, de melhores práticas; a 27000, de segurança da informação; e a 38.500, de Governança Corporativa de TI. “As normas já direcionam para a maturidade em Governança em TI. O importante é saber como utilizar cada ferramenta”, destacou. ,13,Magalhães também comenta o distanciamento que muitas vezes existe entre a área de TI e a liderança dos hospitais, e para encurtá-la é necessário movimentações dos dois lados. “A direção precisa entender a necessidade de olhar para a TI estrategicamente. E a área de TI precisa também começar a entender de negócio, falar a mesma língua da gestão, e para isso, precisa se preparar, se capacitar”, salientou. ,13,De acordo com o consultor, um primeiro passo para encurtar a distância, é criar comitês que envolvam diferentes áreas da instituição. “Dessa forma amplia a visão sobre a organização, e os projetos passam a ser de todos”.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta