Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Não falta só médico !

Publicidade

O que está ocorrendo com os médicos no sistema de saúde é apenas ?a ponta do iceberg?.

  • A ?greve branca? dos médicos suspendendo atendimento de convênios ecoa em outras classes profissionais:
  • Vários hospitais públicos, onde não existe a facilidade do ?turn-over?, são afetados por greves;

Nos hospitais privados a desmotivação dos funcionários fica evidente na qualidade do atendimento. Milhares de vagas de médicos estão abertas sem profissionais que se interessem em ocupá-las, e isso ecoa em milhares de vagas de profissionais multidisciplinares e administrativos onde os hospitais passaram a disputar os bons candidatos ?a tapa?.
Fiquei recentemente alguns dias internado e senti na pele (e não de modo figurado) o baixo nível dos profissionais menos especializados e, principalmente, a falta de supervisão dos profissionais mais graduados. Os mais graduados são tão poucos que não têm tempo para supervisionar de perto os demais: isso se chama ?risco ao paciente?.
A escassez de bons profissionais no segmento da saúde é fato, e não se restringe aos profissionais assistenciais: toda a cadeia de valores está comprometida. Na área pública o governo erra na saúde da mesma forma que erra em outros segmentos:

  • Inaugura um serviço de saúde atrás do outro, e não investe no desenvolvimento dos servidores que já estão empregados há muito tempo nos serviços de saúde existentes;
  • Além do problema visível de que os serviços de saúde antigos vão perdendo em eficiência, nas mãos de servidores que não se atualizam e vão perdendo a motivação gradativamente, existe um círculo vicioso invisível: o mais antigo pouco qualificado treina de forma inadequada o mais novo.

A área privada ?caiu numa grande cilada?: não consegue adequar seus preços aos crescentes custos, especialmente o da ?inflação tecnológica?.
Quando iniciei minha carreira trabalhei em uma empresa de previdência e aprendi o que significa atuária, e como se calcula o prêmio de um seguro em função do benefício.
A ?grande cilada? é que como os preços dos planos foram calculados para uma massa populacional e custos operacionais muito diferentes da realidade atual, deveriam ser objeto de reanálise e não de reajuste indexado da forma como ocorre.  Reajuste linear definido (ou autorizado) da forma como tem sido feito ?é um crime?: o cálculo atuarial deixa de ser a base, e a saúde passa a ser tratada como ?commodity? !
Não é possível definir de forma genérica o impacto de uma alteração no Rol da ANS. Para cada operadora, para cada serviço de saúde, o impacto pode ser diferente. Então como se pode, por exemplo, autorizar um reajuste linear de preço para todos os convênios ?
A cada dia uma nova regulação, um novo material, uma nova técnica ? algo novo na medicina traz um custo que não existia antes. Não é questão de reajustar o preço do que estava na planilha de custo, e sim da incorporação de um novo elemento de custo. Mas o sistema teima em reajustar o preço como se reajusta o ?preço do pãozinho francês?.
Então o sistema força os dois lados de uma relação nada muito amistosa (provedor e prestador do serviço) a cortar custos onde eles conseguem o maior impacto: os salários. E o resultado é o que estamos assistindo:

  • Ou falta médico, enfermeiro, etc., ou a vaga é preenchida por quem se sujeita, geralmente profissional iniciando carreira, com menos especialização;
  • O profissional da recepção pensa duas vezes se é melhor trabalhar no hospital ou no hotel;

Os profissionais de tecnologia então nem se fala. Vão para a indústria ao invés de trabalhar em um ambiente de ?alta pressão 24 x 7?.
Se importar médico é solução para suprir as vagas em serviços de saúde vamos necessitar importar também profissionais de outras formações ? e não são poucos!
Vale a pena ouvir o que os próprios profissionais de saúde pedem há muito tempo:

  • Incentivo para atualização dos que atuam no segmento (treinamento, reciclagem, oportunidade de crescimento), tanto na área privada quanto na pública;
  • Reformar e reequipar serviços de saúde públicos existentes, além de inaugurar os novos;
  • Redefinir preços em função dos custos reais, e não em reajustes lineares de preços ? e assim poder remunerar e dar condições de trabalho dignas aos profissionais que atuam no segmento.

Ao contrário da ?commodity? a saúde é ?cara? e vai ficando cada vez mais ?cara? ao longo do tempo. A escala não diminui o preço, infelizmente. Não dá para continuar compensando o custo de um novo teste exigido por uma nova regulamentação na base da limitação do salário ou no corte do investimento em desenvolvimento do profissional de saúde!
 
 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta