Semana da Saúde 2017 Semana da Saúde: discuta os principais assuntos de Tecnologia da Informação em 10 Webinars. Reserve seu lugar! Clique aqui

Hora de repensar os programas de saúde nas empresas

Publicidade

Os programas de saúde nas empresas apresentam a mesma estrutura há muitos anos. Apesar do aumento do número de empresas que oferecem ações e programas, ainda eles são focais, voltados para atividades pontuais, sem avaliação adequada e pouco alinhados à estratégia da organização. Muitas vezes, as atividades se arrastam por muitos anos e são mantidas apenas por “tradição” ou inércia. Da mesma maneira, os programas e ações oferecidos pelos planos de saúde e consultorias são pouco inovadores e pouco integrados. Não se observa, da mesma maneira, uma maior abertura das áreas de saúde ocupacional, para uma integração real com a área assistencial.

Além disso, há pouca integração entre os stakeholders. Contam-se nos dedos os gestores de saúde nas empresas que mantém contato com os prestadores de serviços em saúde, particularmente hospitais, para buscar a melhoria na atenção à saúde, o alinhamento de indicadores, a maior efetividade clínica nas abordagens e melhores resultados.  Em geral, esta atividade é delegada para as consultorias e planos de saúde que realizam apenas o controle financeiro e de contas, ou seja, “olhando para o retrovisor”.

Recente artigo publicado na Harvard Business Review (fevereiro de 2016), escrito por pesquisadores do Institute for Healthcare Improvement (IHI) destaca a união de vinte grandes empregadores americanos para buscar, efetivamente, atingir os objetivos do “triple aim”, ou seja, melhor atenção à saúde para as pessoas, mais saúde para as populações e menores custos per capita.  Esta integração envolve cinco estratégias:

  1. Não apenas busque melhorar a sua posição. Mude o jogo. Apenas ir melhorando o que já está sendo feito não é suficiente. Não adianta só aprimorar a auditoria médica, as redes assistenciais ou o controle de fraudes. É preciso buscar ações integradas envolvendo empregadores (compradores), fornecedores de serviços e operadoras de saúde.
  2. Engajar os sistemas de saúde na mudança. As empresas buscam melhorar a atenção à saúde com menores custos, mas elas não provêm serviços. A estratégia deve envolver médicos, centros diagnósticos e hospitais para que se envolvam no movimento de buscar o melhor cuidado com o menor custo. Isso exige transparência e ética.
  3. Definir uma estratégia de mensuração de resultados que seja simples e focada nos desfechos. Ela deve fazer sentido para os empregadores, para os beneficiários e para os provedores. Selecionar as prioridades e não perder tempo com indicadores de processo ou que não estejam diretamente ligadas à estratégia.
  4. Lembrar-se que todas as mudanças são locais. Sempre é bom lembrar que é muito difícil reproduzir um modelo ou experiência para todos os locais e é importante considerar as diferenças culturais, sociais, de gênero e nível educacional.
  5. Torne simples para facilitar a adesão dos outros stakeholders

 

Esta iniciativa foi construída a partir de experiências reportadas pelos mesmo autores na Harvard Business Review (edição brasileira de agosto de 2015) em um artigo com o título “ A revolução da saúde liderada pelo empregador” onde relatou uma experiência apresentada pela empresa Intel, que enfrentou a questão dos custos crescentes em saúde como se fosse um desafio de produção, ou seja, usando métodos enxutos de melhoria para gerir rigorosamente a qualidade e o custo de seus fornecedores de assistência médica. Identificou questões críticas (como diabetes e dor lombar) e conseguiu redução em alguns tratamentos de 24 a 49%, melhorou o acesso dos pacientes a tratamentos e retornar ao trabalho com maior rapidez e um grande aumento na satisfação do paciente com os tratamentos.

Muitas vezes, não se identificam quais são as condições clínicas realmente relevantes para aquela população. Por exemplo, para uma organização onde a maioria dos participantes é jovem e de nível educacional elevado, provavelmente o principal fóco não serão as doenças cardiovasculares, mas talvez as condições emocionais e musculoesqueléticas. No entanto, gasta-se muito realizando exames de risco cardiovascular (como exames laboratoriais) ou check-ups sem ir ao determinantes de adoecimento e perda de produtividade.

Num cenário de dificuldades econômicas, é momento dos gestores de programas de saúde na empresa realizarem um “reset” no que estão realizando e buscar maximizar os esforços e investimentos nas ações realmente estratégicas e com desfechos mensuráveis.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Comentários

Deixe uma resposta