Archives of #Diagnóstico por Imagem

Conheça os 3 primeiros campos que serão dominados pela IA

Não estranhamos a robotização no campo médico. A cirurgia assistida por robôs está se tornando cada vez mais comum. Muitos programas de treinamento estão começando a incluir cenários de realidade virtual e robótica com o intuito de fornecer treinamento prático para estudantes, sem colocar os pacientes em risco.

Com todos esses avanços na robótica médica, três nichos se destacam em relação aos demais: Cirurgia, diagnóstico médico por imagem e a descoberta de novos medicamentos. Mas de que forma os robôs exercem sua influência sobre essas práticas e como eles ainda as mudarão para sempre?

 

Cirurgia Assistida por Robôs

A primeira cirurgia assistida por robôs foi documentada em 1985, com a realização de uma biopsia neurocirúrgica. Isso ocasionou o uso da robótica em várias cirurgias similares, tanto para operações por laparoscopia quanto para as tradicionais. A agência federal do departamento de saúdo dos EUA, FDA (Food and Drug Administration), não permitia o uso de ferramentas robotizadas em cirurgias até o ano 2000, quando o sistema da Vinci Surgery atingiu o mercado.

É esperado que o mercado de cirurgia assistida por robôs cresça exponencialmente até 2023 e permaneça com alto potencial nos anos subsequentes. O único fator que poderia prejudicar esse caminho próspero é o elevado custo dos equipamentos. O investimento inicial pode impedir que as small practice (correspondente às pequenas cooperativas médicas, médicos individuais ou médicos de família, por exemplo) adquiram os dispositivos necessários.

 

Diagnóstico médico por imagens

A chave do sucesso do diagnóstico médico por imagem não está no equipamento em si. Está na interpretação das informações contidas nas imagens. Elas correspondem a alguns dos dados mais substanciais do campo médico e podem revelar muito mais do que uma inspeção visual básica.

Robôs e, mais especificamente, programas de inteligência artificial como o IBM Watson podem ajudar na interpretação dessas imagens de forma mais eficiente e precisa. Ao permitir que a AI (Inteligência Artificial) ou um programa básico de aprendizagem mecânica estudem as imagens médicas, os pesquisadores podem encontrar padrões e fazer diagnósticos mais precisos que nunca.

 

Descoberta de novos medicamentos

A descoberta de novos medicamentos é um longo e muitas vezes tedioso processo que inclui anos de testes e avaliações. Inteligência artificial, aprendizagem mecânica e algoritmos preditivos podem ajudar a acelerar este sistema.

Imagine se os pesquisadores pudessem inserir um tipo de remédio – que eles estão tentando produzir – e o tipo de sintoma – que eles estão tentando tratar – em um computador e deixasse que a máquina fizesse todo o resto. Com a robótica, algum dia pode ser possível.

Esta ainda não é a solução perfeita – esses sistemas requerem um número massivo de dados antes que eles possam começar a tomar decisões ou fazer previsões. Ao alimentar as informações na nuvem, onde esses programas conseguem acessá-las, os pesquisadores podem dar os primeiros passos em direção a criação de um banco de dados funcional.

Outro benefício desses programas de AI é que eles podem enxergar conexões que os humanos jamais teriam pensado. As pessoas podem dar esses saltos, mas as chances são muito menores, além de demorar muito mais para acontecer. Simplificando, nós não somos capazes de processar a grande quantidade de dados que os computadores conseguem administrar.

Este não é um campo no qual estamos preocupados com robôs roubando empregos, pelo contrário. De fato, queremos robôs se tornando ferramentas comumente usadas e que possam ajudar a melhorar o atendimento ao paciente bem como os resultados cirúrgicos.

Um cirurgião humano pode ter intuição, mas ele nunca terá a precisão que um par de mãos robóticas pode fornecer ou a capacidade de processamento de dados de uma máquina através de algoritmos. Se deixarmos, essas ferramentas podem transformar a maneira como vemos a medicina.

 

 


Fonte: SigularityHub // Autor(a): Kayla Matthews // Tradução: Camila Marinho