• Home
  • Gestão
  • A Apple Store dos consultórios médicos

A Apple Store dos consultórios médicos

 

Como serão os consultórios médicos do futuro? Na dianteira, uma startup médica em São Francisco antecipa esse futuro cenário utilizando IA (inteligência Artificial) e ferramentas conectadas.

Estava frio e chuvoso lá fora quando o Uber estacionou em frente ao número 180 da Suttler Street, no centro de São Francisco. No interior, um homem vestido de preto se ofereceu para guardar minha jaqueta e guarda-chuva enquanto me direcionava para um conjunto de cadeiras no lobby e me entregava uma garrafa de água da Voss.

Examinei atentamente o ambiente e observei um apanhado de equipamentos fitness conectado, alguns séruns chiques dispostos sobre uma mesa de vidro e, posicionado em frente, o que parecia ser um scanner de corpo da era espacial. Na lateral, contra a parede azul, em negrito, se destacavam as palavras “Design your Health”.

 

Apple Store

Eu estava no escritório da Forward, startup de saúde do ex-google e fundador da Wavvi, Adrian Aoun. Ele me disse que esse seria o consultório médico do futuro.

“Imagine um consultório que mais parece como uma Apple Store”, discorre Aoun, “mas dê um passo adiante e você encontra esse tipo de coisa legal, onde você tem um ambiente médico que aprende com o tempo. Você tem algo que melhora progressivamente e ele aprende mais e mais sobre você, muito parecido com as coisas que estamos acostumados, como Google e Facebook.”

 

Eu, médico

Pode ser tentador comparar Forward com algo como One Medical, uma startup que conta com atendimento online e uma série de consultórios médicos conveniados na região da baía de São Francisco. Mas o Forward avança muito além com um escritório conceitual medindo mil metros quadrados, aparelhado com seis salas de exame, equipamentos médicos de última geração e um laboratório para testes realizados em poucos minutos.

Forward também oferece um sistema exclusivo de IA que auxilia os médicos fornecendo rápidas informações e possibilitando compará-las com seus dados de saúde. Além do lobby e da sala de exames, complete tudo isso com cadeiras ergométricas, uma tela de exibição futurista e uma miríade de instrumentos médicos mergulhando no território Star Trek.

Aoun me mostrou algumas ferramentas, incluindo um tipo de luz infravermelha que ajuda a encontrar as veias do corpo para coletar sangue. Outro instrumento exclusivo é um estetoscópio digital forte o suficiente para ouvir as batidas do seu coração sem precisar tirar a camisa. Já a tela grande, presente em cada sala de exames, puxa uma lista de sinais vitais, informando se uma determinada medicação é compatível com seu código genético ou se você é alérgico ao glúten.

A informação vem dos exames de laboratório e do grande scanner corporal que está no lobby; que realiza a análise através de um processo indolor no qual você entra na máquina e posiciona dois dedos da mão esquerda em um sensor por alguns segundos, a fim de calcular sua altura, peso, temperatura, frequência cardíaca, pressão sanguínea e outras tantas informações, simultaneamente. O resultado da varredura corporal resulta  em dados que alimentam o sistema de IA incorporado ao Forward bem como seu aplicativo para dispositivos móveis.

 

 

Coração robótico

Para Aoun, toda experiência tem como objetivo fornecer ferramentas aos médicos para que eles possam tomar decisões com base em dados. E se torna especialmente útil se quisermos transitar para um sistema preventivo e não reativo, que é a nossa configuração atual. “Imagine que você é um engenheiro do meu time e eu te peço para “desenvolver alguns códigos”, mas quando você completa sua tarefa você realmente precisa esperar  por semanas. Você envia seu código, mas o parecer do teste volta uma semana depois e só então você conhece os resultados,” declarou Aoun.

A ideia para o Forward surgiu quando um membro da família ligou para ele de uma ambulância no meio de um ataque cardíaco. “Normalmente pensamos em consultórios médicos como uma oficina de reparação para seres humano, mas nós morremos de doenças cardíacas e câncer…eu não acordo e sei que o meu colesterol pode estar alto, então eu vou ao consultório. Estamos focando na coisa errada,” ele me explicou.

Após essa experiência familiar, Aoun percebeu que poderia fazer um melhor sistema com foco em prevenção a partir do uso dos dados e da inteligência artificial (IA). O fundador logo começou a trabalhar em todo tipo de equipamento médico de alta tecnologia em um esforço para criar um ambiente mais holístico para cuidados médicos.

 

O Carma do plano de saúde

Ao contrário da maioria dos consultórios médicos, o Forward também possui uma abordagem de pagamento diferenciado. Ao invés de estabelecer o acesso por meio de plano de saúde ou co-pagamento, a startup oferece acesso ilimitado à equipe médica, checkups, teste sanguíneo e genético, aconselhamento nutricional, monitoramento contínuo através de sensores portáteis fornecidos pela clínica, suporte ao sistema de IA e acesso 24 horas por dia, 7 dias por semana à equipe médica pelo aplicativo. Tudo isso por $149 ao mês.

Aoun espera que esta diferença, tanto na forma de pagamento quanto no cuidado, estejam centradas na prevenção e não na doença. E para as pessoas sem seguro, pode ser uma alternativa que facilita o acesso a uma assistência médica – exceto para os casos mais graves. Despesas com a saúde são o maior fator para a dívida dos Estados Unidos, devido ao alto custo do nosso sistema. Não ter um seguro significa não ter acesso a médicos e remédios e isso pode ser traduzido como uma sentença de morte para muitos. Uma situação que, sem dúvida, ocorre em um momento delicado para 20 milhões de americanos, que enfrentam a ameaça de perder seus seguros caso o congresso e o novo presidente acabem com a Lei de Proteção e Cuidado ao Paciente (também conhecido como Obamacare).

15% dos primeiros usuários vieram de comunidades desassistidas e foram contemplados com a adesão gratuita. Cada membro também ganha, em seu primeiro mês, os medicamentos prescritos gratuitamente e que podem ser encontrados na farmácia da Forward. A startup ainda planeja oferecer vitaminas, outros suplementos e wearables (dispositivos vestíveis) que serão encontradas na loja da clínica, além de, no futuro, ampliar os serviços e dispor de acupuntura, por exemplo.

 

Forward em movimento

O escritório na Suttler é a localização principal da Forward e o capital para mantê-la certamente é alto. Apesar de Aoun não informar quanto de financiamento tomou até o momento, ele explica que a startup levantou fundos de muitas fontes bem conhecidas. Dentre os investidores estão Khosla Ventures, Founders Fund, John Doerr, and First Round Capital, além dos investidores anjos Eric Schmidt, Marc Benioff, Garrett Camp, SV Angel, Aaron Levie e Joe Lonsdale, e vários outros que se possa imaginar (ou pelo menos esperar). O Forward angariou uma quantia saudável que possibilitou construir a infra-estrutura, criar equipamento únicos e contratar uma equipe médica de alto nível.

O plano futuro é se expandir por São Francisco e ir além. Mas Aoun enxerga esse primeiro consultório como apenas o começo para um novo tipo de medicina.

 

 


Fonte: techcrunch.com // Autor(a): Sarah Buhr // Tradução: Camila Marinho