Semana da Saúde 2017 Semana da Saúde: discuta os principais assuntos de Tecnologia da Informação em 10 Webinars. Reserve seu lugar! Clique aqui

Fim das ilhas de excelência do SUS

Publicidade

Na semana passada vimos em todas as mídias da imprensa o lamentável anúncio do Hospital São Paulo (UNIFESP) informando que as cirurgias eletivas seriam todas suspensas em função da falta de recursos.

Hoje foi o Hospital Universitário (USP) informando que perdeu 20 % dos seus leitos neste ano devido ao corte de despesas.

No ano passado ficou em evidência a agonia da Santa Casa que mesmo com movimentos de reorganização que dão alguma esperança, ainda está muito distante de superar sua crise.

Na Cidade de São Paulo, só falta o HC e o Dante anunciarem cortes no atendimento, e infelizmente é sabido que o orçamento destes hospitais foi reduzido – não gostamos de pensar nisso, mas tudo leva a crer que é uma questão de tempo para o anúncio.

Para as pessoas que podem pagar planos de saúde isso passa praticamente desapercebido, mas para quem é do segmento, e para os que dependem exclusivamente do SUS, isso significa o fim da quase inexistente rede de excelência de atendimento SUS na Cidade de São Paulo.

Infelizmente são poucas pessoas que entendem o significado do momento que estamos passando:

  • Em todo o Estado de São Paulo, além destas instituições citadas, apenas mais alguns poucos hospitais públicos atendem SUS com padrão de excelência;
  • Estes hospitais não são importantes apenas para a Cidade de São Paulo – basta circular pela Av. Dr. Enéas de Carvalho (HC) para notar a infinidade de placas de ambulâncias e veículos de outras cidades que buscam atendimento no HC de São Paulo. E não são apenas cidades da Grande São Paulo – vêm até de outros Estados;
  • E estes hospitais não são particularmente importantes porque atendem SUS, mas sim porque formam mão-de-obra multidisciplinar de excelência, que os hospitais privados não têm nem condições nem interesse em formar: médicos, enfermagem, fisioterapia, etc.

Quando vemos na mídia uma personalidade sendo atendida em um hospital privado considerado ‘top’, ‘vem de carona’ o médico que é professor da UNIFESP, da USP, da Santa Casa, da UNICAMP…

É muito comum quando somos atendidos em um hospital destes observar o médico utilizando o ‘jaleco’ da universidade, como um autêntico e verdadeiro ‘cartão de visitas’.

O ministro, o secretário estadual, o secretário municipal da fazenda não tem a dimensão do que significam estes hospitais para o sistema de saúde:

  • O mesmo médico assistente que participa de 1 ou 2 cirurgias por semana em um hospital privado, participa de 10 em um hospital destes (até 20 dependendo da especialidade), orientado por um professor e sua equipe, que por sua vez já participou de milhares delas. Se estes hospitais perderem orçamento para atender SUS, não existirá modo de formação de mão-de-obra tão qualificada, e nem de prover o SUS de atendimento com esta qualidade;
  • Cortam o orçamento da saúde como se fosse uma atividade como outra qualquer: não levam em conta que a população cresce independente da crise, e a saúde necessita de orçamento proporcional ao crescimento da população. Não levam em consideração que ‘o doente’ e o ‘morto’ não anda de bicicleta, não viaja e não estuda – cortar orçamento de construção de ciclovias, estradas e programas educacionais é ‘dolorido’ mas é possível, enquanto cortar o orçamento da saúde é decretar ‘pena de morte’ para quem necessita de assistência.

Não lógica alguma: a saúde pública que há alguns anos não tem orçamento adequado e presta um péssimo serviço à população, ainda tem corte de orçamento!

O corte do orçamento deste tipo de hospital arruína o SUS imediatamente, e traz danos irreversíveis à saúde suplementar no médio prazo.

O pior é que as próximas eleições para governo e presidente só ocorrerá daqui há alguns anos, ou seja, nem mesmo como argumento de campanha temos a perspectiva de que alguma coisa será feita no curto prazo para melhorar o cenário. As eleições do ano que vem (prefeitos) não têm como ajudar neste assunto, mesmo sendo objeto de campanha.

E ainda pior é a tendência de redução do número de pessoas que têm plano de saúde nos próximos meses devido à crise, em particular ao desemprego: isso significa um volume ainda maior de pessoas dependendo exclusivamente do SUS.

Utilizei os exemplos dos hospitais públicos de excelência da Cidade de São Paulo para comentar o assunto, mas evidentemente o cenário é exatamente o mesmo nos hospitais deste tipo no interior do Estado de São Paulo, e nos outros Estados da Federação, infelizmente.

Já que não posso fazer nada para mudar o cenário, além de demonstrar profunda indignação, que bom seria se pudesse avançar no tempo rapidamente e esquecer este ‘período sinistro’ da história da saúde no Brasil!

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta