HIS17 Já emitiu sua credencial gratuita para o HIS '17? Já são +1.600 profissionais! Clique aqui

Farmacoeconomia: para começo de conversa

Publicidade

Economia em Saúde é a disciplina que analisa aspectos de saúde e assistência médica com foco nos custos (inputs) e nos desfechos (outcomes) de intervenções médicas usando métodos e teorias de ciências de saúde e ciências econômicas. A farmacoeconomia, muitas vezes usada como sinônimo, é uma coleção de técnicas descritivas e analíticas para avaliar uma intervenção farmacêutica no sistema de assistência de saúde. Podem ser usadas como sinônimo… não seria um pecado capital, mas entender que economia da saúde é mais amplo, já torna a abordagem mais precisa. As várias formas de análise farmacoeconômicas tentam quantificar o recurso necessário para incorporação de cada nova tecnologia (entenda-se, inclusive, ampliação de indicações de medicamentos) de forma que sejam priorizadas aquelas estratégias que vão beneficiar o maior número de pessoas pelo maior tempo possível.  Se nossos recursos fossem infinitos, a decisão era mais fácil: toda e qualquer tecnologia que se mostrasse superior. Como, evidentemente, temos que trabalhar com valores pré definidos e cálculos atuariais, além de uma população que não consegue colocar em seu orçamento valores que possam prever financiamento consistente para saúde e com folga, a FARMACOECONOMIA é uma forma adequada de debate e análise critica que permite vermos o tema sob uma perspectiva objetiva. Mais recentemente, provavelmente motivado pela reforma de saúde nos Estados Unidos, a economia da saúde e propostas de estudos de efetividade comparativa, utilizando “custos” na fórmula, tem borbulhado na literatura medica internacional. Muitos destes debates já chegaram no Brasil, até porque temas como incorporação de tecnologias passaram a ser obrigatórias nos processos de inclusão de medicamentos no pais. Vou abordar, neste espaço, etapas deste assunto, mantendo os leitores atualizados das discussões que crescem muito em todo mundo.  Não vai faltar assunto: métodos, novidades, aplicação prática, eventos, publicações… Alguns temas já tem razoável maturidade e outros ainda muito incipientes…. se eu conseguir situar o leitor sobre o cenário, já fico feliz.  

       
Publicidade

Deixe uma resposta