Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Entenda os diferentes termos relacionados à logística em saúde

Publicidade

Em nossos posts, temos abordado a importância de se definir processos logísticos, com vistas a aumentar a segurança do paciente e o controle de custos nas instituições de saúde. Entendemos, porém, que o termo “logística hospitalar” ainda não é tão claro para a população em geral e, muitas vezes, nem mesma para os profissionais das próprias organizações assistenciais.

Por isso, queremos, nesse texto, elucidar as diferenças entre logística hospitalar, logística de medicamentos e logística reversa de medicamentos. Ao longo dos parágrafos, você vai encontrar links para vídeos com essas definições, para compartilhar com a sua equipe.

A logística é a organização do fluxo de insumos de forma racional e eficiente. Quando bem aplicada na instituição de saúde, ela articula recursos humanos, materiais e tecnológicos para permitir que itens e medicamentos estejam sempre disponíveis no tempo correto, de forma segura e com custo adequado, ajudando a reduzir erros na administração desses suprimentos.

A Logística Hospitalar  busca organizar o fluxo dos insumos, desde a chegada ao centro de distribuição até a entrega ao médico, equipe assistencial ou paciente. Ela se baseia em quatro eixos: software específico adequado à gestão e ao volume de informação, infraestrutura de armazenagem, com equipamentos e materiais apropriados, implementação de processos específicos à realidade da empresa, e mão de obra qualificada e treinada no software e processos mencionados.

Na Logística de Medicamentos, o foco está no o acompanhamento e controle dos insumos dentro da instituição de saúde, desde o almoxarifado até a entrega ao paciente, passando por farmácias ambulatoriais, centrais e satélites e. O processo é feito de maneira informatizada e com equipe especializada. Essa gestão, da entrada em estoque ao consumo pelo paciente, pode, por exemplo, reduzir o índice de obsolescência, que gira em torno de 20%.

Por fim, os insumos não utilizados pela instituição são tratados pela Logística Reversa de Medicamento. O rastreamento do consumo em todas as áreas da instituição possibilita o diagnóstico proativo deste excedente, sem depender de aviso do setor envolvido. A logística reversa permite que os bens sejam devolvidos ao fornecedor, com estorno contábil e financeiro dos produtos.

 

 

 

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta