Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Desenhando os processos de produção a partir do espaço físico

Publicidade

Em todo e qualquer Estabelecimento de Saúde, seja um grande hospital ou um consultório, o Espaço Físico é a plataforma onde são produzidos os serviços de atenção à Saúde que são demandados, sendo que em alguns haverá inúmeros postos de trabalho ? como em uma área de inalação, – enquanto em uma sala de cirurgia o posto será único, bem como em um consultório.
Assim quando calculamos a produção de um determinado espaço devemos considerar o recurso instalado, o tempo do procedimento e o intervalo entre as atividades, sendo este destinado a preparação para o procedimento seguinte ou desativado por razões operacionais.
Pela própria diversidade dos serviços a serem produzidos nos inúmeros e diferenciados espaços, seus tempos são variáveis, dado que devem atender aos padrões técnicos e de qualidade, respeitando as peculiaridades clínicas de cada consumidor.
A edificação de saúde acolhe em seus espaços ?unidades de produção? que compõem o conjunto dos processos de atenção e fornece seus serviços segundo tempos paramétricos, para assim alimentar os cálculos de produção setorial ou de todo complexo.
Identifica-se uma variabilidade acentuada de tempos no conjunto de eventos que compõem o fluxo de atenção, sendo que caberá ao gerenciador dos espaços, construir estatisticamente ?séries históricas? que lhe informem os tempos despendidos desde a entrada até a saída de um consumidor no setor que o atendeu, acrescidos dos tempos de aguardo e de preparação para movimentação de abandono e direcionamento a outro setor.
Realizadas as medições de quantidades dos procedimentos e seus tempos nos compartimentos produtivos, disporá o gestor dos processos assistenciais, de elementos que lhe permitam procurar dar fluidez aos fluxos, por vezes melhorando rotas de circulação que imprimam minimização de tempos e de esforços humanos nos deslocamentos.
Os setores de um edifício de saúde têm indicadores de ?capacidade instalada?, como quartos de internação com leitos, consultórios, salas cirúrgicas, leitos de cuidados intensivos, e outros tantos recursos, que, no entanto não retratam o quanto produzem!
Assim sendo, a capacidade física instalada não expressa a ?capacidade operacional? dado que esta reúne as informações que permitirão aos dirigentes planejar e controlar as respostas às demandas por seus serviços.
A existência deste documento que informa o total de produções e que deverá ser permanentemente avaliado tem sido por vezes alijada de raciocínios sobre estratégias pretendidas, metas mercadológicas e mesmo melhorias de desempenho, sendo instrumento fundamental para decisões sobre reorganizações físicas internas ou mesmo expansões no complexo existente ou em outros sítios.
Os dirigentes necessitam saber e decidir sobre qual a capacidade física e operacional do prédio existente e como adequá-lo ou expandi-lo para novas demandas.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta