HIS17 | Healthcare Innovation Show Compre 1 convite e leve 2, e economize 50% durante a pré-venda! Saiba mais

BENZETACIL NELES!!

Publicidade

Quando eu estava no Exército, havia uma brincadeira que fazíamos (e que muitos devem ter experimentado): quando você comparecia ao ambulatório médico, não importava se o seu problema era febre, unha encravada ou dor. O remédio era sempre o mesmo: Benzetacil… Obviamente, àquela altura, todos evitavam ao máximo, baixar no ambulatório porque a certeza de uma picada seguida de dor era fatal. Hoje em dia enfrentamos situação semelhante, só que com a Ouvidoria da ANVISA. Explico: não importa qual seja o pleito das empresas, as respostas são padronizadas e não informam nada com coisa alguma. Atrasos na análise dos processos de registro? ?A análise segue ordem cronológica?. E os prazos determinados na legislação? Eles citam, em algum artigo ou parágrafo a ?ordem cronológica? ou estabelecem um prazo determinado para o final das análises e pronunciamento das autoridades, neste caso, a ANVISA? Problemas na marcação de reuniões para discutir atrasos ou exigências cujas informações já se encontram nos processos? ?O seu pleito será encaminhado para a área competente?. Se estamos apelando para a Ouvidoria, obviamente, já tentamos o contato com a área competente, sem resultados. Qual é a lógica de enviar o pleito do Agente Regulado para a Área Competente, já que esta é a origem do problema? Por que é que a Ouvidoria não encaminha os pleitos, de forma consistente, a uma autoridade acima da Área Competente? Por que é que os problemas não são resolvidos em sua raiz, ao invés desse eterno ?imbróglio??? Por que é que o país não pára de perder dinheiro com os atrasos da ANVISA? Por que é que os pacientes têm que ser privados de melhores tecnologias médicas por conta dos atrasos e eternos (mesmos) problemas do Agente Regulador? Por que temos uma Ouvidoria surda aos pleitos justos e oportunos do mercado?? Por que é que só usamos a Benzetacil???

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta