Saúde Corporativa

Por Alberto Ogata

Artigo: O que a matéria de capa da EXAME não falou

Publicidade

Causou grande repercussão a matéria de capa da revista Exame de 25 de maio de 2015, com o título “A doença do custo”, assinada por Daniel Barros. A matéria inicia com uma apresentação didática da elevação dos custos em assistência médica no Brasil que, de acordo com estimativa da AON, pode atingir 18% no Brasil, ou seja, o dobro da projeção que apavora todos os analistas nos Estados Unidos (com uma previsão inflacionária bem menor). Além disso, lembra que o orçamento da saúde em nosso país (ao contrário de grande parte dos outros países) tem uma proporção superior bancada pelo setor privado.  O artigo apresenta alguns exemplos de empresas onde o custo da assistência médica afeta significativamente o negócio e os resultados financeiros da companhia.

Em seguida, a matéria apresenta alguns fatores relacionados ao sistema de saúde privado brasileiro que, apesar de se constituírem em “mantras” dos profissionais que atuam no setor, provavelmente são desconhecidos dos gestores de outras áreas e, principalmente dos CEOs. Dentre estes fatores a matéria destaca a fragmentação na atenção, o pagamento por “fee for service”, o uso e abuso das OPMEs, a (i)lógica relação entre a prestação dos serviços e a cobrança, principalmente pelos hospitais.  Neste campo, o jornalista mostra como um dos “remédios” a entrada de capital estrangeiro como sócio de hospitais e a verticalização pelas operadoras de saúde.

Finalmente, a matéria sugere “quatro passos para melhorar a saúde do sistema”. A primeira seria mensurar e divulgar os resultados dos tratamentos. Na verdade, no sistema de saúde é importante mensurar muito mais elementos que somente os tratamentos. Que tal mensurar e avaliar a efetividade dos atendimentos nos consultórios médicos, nos centros diagnósticos, nas emergências e nos sistemas próprios das operadoras de saúde? O segundo passo citado na matéria é mudar o modelo de remuneração nos hospitais. Sem dúvida, esta mudança é importante, mas não somente nos hospitais, mas em toda a cadeia. O terceiro passo sugerido é pagar mais aos médicos. Realmente, seria interessante conhecer as fontes para esta sugestão e analisar quais evidências há que sugiram uma maior efetividade no sistema com uma maior remuneração aos médicos. Desconheço estudos com esta relação causa-efeito. Finalmente, a matéria sugere o quarto passo que seria reverter a cultura do especialista. O artigo cita os modelos do Reino Unido, Holanda e Canadá, mas associa os resultados somente à presença de um médico de família. Sabemos atualmente, este é apenas um elemento da atenção primária à saúde que envolve vários outras necessidades como o empoderamento do paciente (que seria “ativado” para cuidar da sua saúde de maneira proativa), a integração das  informações, o cuidado multidisciplinar e a integração com a rede assistencial.

Mas, acho que o fundamental a ser discutido quando se analisa a “doença do custo” é verificar quais são os seus determinantes. Buscar melhorar os resultados para as empresas e para o sistema de saúde exige que se controlem os fatores de risco para as doenças crônicas não transmissíveis mais comuns (DCNTs) (doenças cardiovasculares, câncer, diabetes e doença pulmonar crônica). De acordo com a OMS, teríamos quatro armas principais, a saber, promover alimentação saudável, atividade física, controlar o tabagismo e o uso abusivo do álcool. Com o controle destes fatores poderíamos reduzir de 70 a 80% na ocorrência das DCNTs em adultos. Observamos que o excesso de peso em nosso país somente tem aumentado e há uma perspectiva de aumento alarmante na prevalência do diabetes.  Os gastos com tratamentos oncológicos somente aumentam, mas de nada adianta gerenciar os postos de administração dos medicamentos ou as cirurgias se a prevalência do câncer somente aumenta e, controlando os fatores de risco, podemos reduzir sua prevalência em até 40%. Caso contrário é somente atuar de maneira reativa e “olhando no retrovisor”.

Finalmente, a matéria é bastante feliz ao afirmar que, “como principais clientes, são as empresas que têm poder de mudar a lógica da saúde suplementar no Brasil”.
As empresas precisam entender que cuidar da saúde dos seus empregados e familiares é algo muito além do que negociar a sinistralidade ao final do ano e isso não pode ser delegado à corretora, mas ser encarado como um elemento estratégico que pode afetar definitivamente os resultados financeiros e a competitividade da companhia.

**As opiniões dos artigos/colunistas aqui publicadas refletem unicamente a posição de seu autor, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte da Live Healthcare Media ou quaisquer outros envolvidos nesta publicação

O artigo foi útil para você?

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor e receba as últimas matérias no seu email.

Compartilhe