Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

APRIMORANDO DECISÃO DOS PROJETISTAS DE SAÚDE

Publicidade

Na interlocução com empreendedores e operadores de serviços médico-hospitalares para obtenção de informações voltadas a concepção dos espaços de um projeto arquitetônico e em sequencia dos projetos das engenharias com ênfase nas instalações prediais e especiais, tem sido costumeira a menção dos compartimentos por sua atividade: sala de consulta, três salas de cirurgia, cuidados intensivos com X leitos e assim segue.

Os compartimentos citados compõem as atividades-fim ou centrais sem menção as atividades-meio ou de apoio, que são requeridas não somente pela operação da produção, mas recomendadas pelas Normas Oficiais referentes aos edifício de saúde: RDC-50. No entanto os compartimentos-fim alojam atividades que configuram os ?elos? de algum processo de atenção e que deverão ser organizados a partir do ?fluxo? e das ?rotas? das atividades que serão ativadas.

Os fluxos configuram o sequenciamento dos eventos realizados em seus postos de trabalho que compõem os processos, e as rotas são os caminhos e distancias que separam os locais das atividades.

Aos arquitetos compete compreender como fluem os processos para organizar os compartimentos de forma a minimizar ?desperdícios? com esforço humano e tempos, evitando riscos para os pacientes e profissionais participes dos processos.

Uma abordagem metodológica que tem aprimorado o entendimento entre profissionais de saúde que operam os processos e os arquitetos e engenheiros que organizam os espaços é solicitar aos informantes que ?desenhem? os eventos que compõem os processos, alinhando sua sequencia ou elos da ?cadeia de produção? e indicando o ?o que faz!? e o ?como faz!?, gerando informações mais esclarecedoras para uma melhor concepção da organização física.

Os profissionais de saúde, ao expressarem graficamente os processos deverão fazê-lo ?a mão livre? sem qualquer preocupação métrica de distancias ou dimensões, desgarrados da frequente menção de que ?não sei desenhar!?.

Conhecendo o sequenciamento dos eventos de ?produção dos serviços? os Arquitetos terão condições de colocar adequadamente os compartimentos de apoio que suportam os ?setores de produção?.

Sendo o edifício de saúde organizado espacialmente em setores físicos que acolhem as unidades de produção, com seus processos, necessário será informar aos projetistas a origem dos pacientes ? de que setores vem! ? e o destino após realizadas as atividades ? para onde vão! ? ensejando aos projetistas uma compreensão das interfaces setoriais e dos macro-fluxos.

Mesmo recebendo inicialmente uma listagem de compartimento deverão os Arquitetos solicitar aos informantes que ?desenhem e informem os eventos que compõem os processos?.

Esta nova solicitação, que os envolvidos na operação saberão atender com presteza, resultará ganhos de conhecimento na concepção e detalhamento dos projetos físicos do edifício.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta