Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Ah, se Mãe Dinah gerisse o estoque do meu hospital!

Publicidade

Dia desses no refeitório de um grande hospital calhou de um Auxiliar de Farmácia sentar-se ao lado de um Assistente Financeiro, e após as habituais gozações sobre os últimos resultados do campeonato de futebol, partiram para o segundo assunto de preferência neste ambiente: as lamúrias do trabalho.

O Auxiliar de Farmácia diz:

– Cara, não aguento mais a falta de produtos! Todos os dias a Enfermagem me liga “soltando os cachorros”, reclamando que não tem dipirona, aspirina e até luvas para o atendimento dos pacientes.

O Assistente Financeiro pergunta:

– Ué! Mas não é só comprar o que elas querem? Dinheiro disponível tem, pois se há uma coisa que não deixamos falhar no Financeiro é a reserva de verba para compra de produtos.

O Auxiliar de Farmácia retruca:

– Não é só uma questão de dinheiro, seu mané! Quero ver você encaixar 5000 produtos diferentes em 50 metros quadrados. Você já viu o tamanho da minha Farmácia? Além disso, minha bola de cristal está quebrada! Se um item sai uma vez no ano, como posso adivinhar que de uma hora para outra o consumo exploda! Já pedi ao chefe para contratar a Mãe Dinah para planejar o estoque, mas ele respondeu que ela já morreu. Haja planilha do Excel!

O Assistente Financeiro responde sorrindo pelo canto da boca:

– Para de “chorar de barriga cheia”. Difícil é arrumar dinheiro para pagar seus fornecedores. Você gosta de receber seu salário no dia, não é? Sabe quem fica aqui até tarde da noite fazendo cálculo na ponta do lápis e convencendo os bancos a nos emprestar “grana”? Só você consome 30% do meu fluxo de caixa, e com a alta do dólar, só tem piorado a minha situação. Tô pensando em te “negativar”.

Mais uma vez o Auxiliar de Farmácia:

– Fique à vontade! Mas só para te lembrar, quem paga os nossos salários não é você, mas os pacientes de operadoras de saúde e do SUS que atendemos. Então, se você deixar faltar produto, além de prejudicar o tratamento de alguém que poderia ser sua mãe, vai levar este hospital à falência! E aí? Vai me negativar?

Pode não parecer, mas estes dois profissionais da saúde tem mais em comum do que o local onde almoçam e discutem seus problemas.

Descubra a resposta acessando o link abaixo:

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta