Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

Abordagem de doenças crônicas exige ação multissetorial

Publicidade

As doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) têm aumentado sua importância em todo o mundo, inclusive no continente latino-americano. Apesar de doenças como dengue, malária, tuberculose ainda tem grande impacto na saúde da população, as doenças cardiovasculares, o câncer, o diabetes e as doenças pulmonares crônicas assumem importância cada vez maior.

No entanto, as abordagens ainda são pontuais, fragmentadas e, em geral, atingem apenas uma fração da população-alvo. Como resultado, constatamos a alta prevalência de complicações como insuficiência renal crônica, amputação de membros, cegueira, insuficiência respiratória que deterioram a qualidade de vida das pessoas e levam os custos assistenciais a níveis insustentáveis.

Neste contexto, atividades como o telemonitoramento de pacientes ou o acesso a medicamentos isoladamente não atingem o resultado desejado. Estudos demonstraram que o desenho de um sistema de saúde que envolve o auto-cuidado apoiado do paciente, a preparação adequada da linha de cuidados, o apoio na tomada de decisões baseadas em evidências científicas e o uso de um sistema de informações clínicas, principalmente com um prontuário eletrônico integrado é efetivo na melhoria da saúde e da qualidade de vida das pessoas.

Como exemplo, apesar da linha de cuidados para o diabetes tipo 2 estar bem estabelecida, recente pesquisa da UNIFESP avaliando 22 centros em 10 cidades constatou que pouco mais de um quarto dos diabéticos estavam com a doença controlada e quase metade tinham sinais de retinopatia e neuropatia, ou seja, já com complicações da doença.

Recentemente realizou-se o Segundo Forum Latino-Americano de Doenças Crônicas: Resultados em Saúde, Tomada de Decisões e Gestão de Risco de Enfermidades reunindo na cidade do México, especialistas das áreas público e privada de todo o continente. Constatou-se que há experiências exitosas com o uso da tecnologia, estratégias de prevenção, modelos preditivos, economia da saúde no apoio à tomada de decisões e gestão do conhecimento. Constatou-se também a importância de maior integração para adoção de modelos adequados à cultura e condições sócio-econômicas do continente que, provavelmente, serão mais eficazes do que a adoção de modelos utilizados na Europa e, principalmente nos Estados Unidos onde há um sistema de saúde diverso à cobertura universal que tem sido a tendência em muitos países da America Latina.

Em nosso país, somente a integração da assistência e da prevenção com a adoção de modelos como o de cuidados crônicos permitirá atingir resultados mais efetivos. Neste contexto, o setor saúde terá que incluir as empresas (e o ambiente de trabalho) com stakeholders importantes também na gestão de doenças crônicas que não deve ser restrita às unidades de saúde, hospitais, clínicas, operadoras de saúde ou consultórios médicos.

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta