Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

90 dias no garimpo

Publicidade


A
poucos meses de completar meus 18 anos, cheguei em Abunã, distrito de Porto
Velho, em Rondônia. Desci do ônibus à beira do rio que dá o nome ao povoado,
afluente do rio Madeira, e contemplei meu primeiro pôr do sol de dentro da
floresta. Observei algumas palhoças, tipo de cabana rústica coberta de palha,
que serviam de abrigo para garimpeiros e comerciantes. Em uma delas, funcionava
um boteco, rudimentar como tudo o que aquele pedaço secreto de mundo tinha a
oferecer. Perguntei ao dono do estabelecimento se poderia amarrar minha rede e
passar a noite ali. Ele concordou.


Eu
já sabia que seria assim, por isso levei minha própria rede. Também tinha
consciência, quando deixei a periferia de São Paulo, onde morava, de que as
coisas poderiam se tornar violentas por lá. Mas não tão rápido. Não tão
próximas. Momentos após minha chegada no bar, dois homens começaram a discutir,
quando um fincou uma faca no outro. O sujeito morreu. Não existia posto
policial no garimpo, embora, na década de 1980, a força militar já tentasse
controlar as atividades de perto. O perto, porém, ainda era muito longe.


Esse
fato não diminuiu a determinação que me levara a percorrer o interior do
Brasil, em viagem de 50 horas de ônibus até Porto Velho e, depois, mais um dia
inteiro sentido Abunã, 220 quilômetros distante da capital, por uma estrada de
terra cravada nas entranhas da Amazônia. Fizera isso por um sonho: um dia, a
caminho do trabalho, no transporte público lotado, vi passar ao lado um Escort
Xr3 branco. Pensei: “Um dia vou ter um desses”.


Estava
doido para comprar aquele carro. E Abunã surgiu como uma oportunidade de fazer
muito dinheiro, mais do que jamais havia conseguido como catador de ferro
velho, feirante, ajudante em um depósito de material de construção ou
assistente de banco. Soube da possibilidade por uma pessoa que faria a mesma
jornada. Então, comprei 100 relógios, todos à prova d’água, em uma loja da
Santa Efigênia, imaginando a satisfação do garimpeiro em poder mergulhar no rio
com um acessório útil, bonito.


Quando
cheguei em casa, arranquei todas as pulseiras e joguei os relógios na água,
dentro do tanque de lavar roupa,  para me
certificar de que eles funcionariam mesmo quando imersos. Eu não queria passar
por trapaceiro. Não queria correr o risco de ser morto por um descuido.


Por
três meses, eu vivi no garimpo. Uma vida que acontece a bordo de centenas de
balsas aglomeradas, uma encostada à outra, especialmente quando o rio está
generoso. Garimpeiro chama a sorte de encontrar um local com alguma fartura de
ouro de “fofoca”. Em Abunã, cada plataforma de madeira tinha no
mínimo cinco trabalhadores, e aí dá para imaginar a quantidade de gente
concentrada em poucos quilômetros.


Sobre
as balsas, existia um motor de caminhão conectado a uma mangueira e, na ponta
dela, uma maraca, espécie de trava a ser fincada no barranco. Primeiro, o
mergulhador, equipado só de óculos de mergulho e um bocal ligado ao compressor
de ar, lançava-se no rio barrento para prender a maraca lá no fundo. O motor,
então, ativava a sucção, levando para a superfície a esperança do ouro. Lá em
cima, ficavam os garimpeiros, atentos aos detritos que se enroscavam na
esteira.


Me
lembro da barulheira infernal dos motores, dia e noite, pois funcionavam também
como gerador. Me lembro ainda da palhoça que montei para mim em uma balsa, um
abrigo bem simples, só para ter uma rede onde dormir. Havia ainda as
plataformas com posto de gasolina, bares e bordéis. As chamadas voadeiras,
pequenas lanchas, levavam as pessoas de um agrupamento para o outro.


Era
como uma vila. Uma cidade flutuante.


Praticamente
tudo acontecia sobre o rio, dentro ou à beira dele: o trabalho, o banho, a
comida. O arroz cozido com a água avermelhada até parecia temperado com
colorau. E sempre tinha gente sofrendo com malária. Geralmente, o doente
passava dias ruins, com uma dor desgraçada e tremedeira.


Na
rotina do garimpo e do seu entorno, vendi os 100 relógios em uma semana, todos
pagos em ouro. Então, voltei a Porto Velho, pela mesma estrada castigada por
buracos, chuva e lama. Lá fui trocar minha recompensa por dinheiro. O que eu
não esperava era conseguir uma cotação muito melhor do que a praticada no
garimpo.


Eu
poderia ter partido naquele momento. Mas havia ali, na mecânica de uma vida
primitiva, um negócio ainda melhor do que vender relógios.


[Essa história
continua no próximo post, na semana que vem]


Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta