Referências da Saúde Quem foram os premiados da edição 2016? Confira agora

2+0+1+3 = 6 competências que fazem toda diferença

Publicidade

Todo começo de ano é propício para novos desafios, para mudanças positivas. Einstein já dizia que insanidade é querer obter resultados diferentes fazendo as mesmas coisas. Coisas novas exigem novas ações, que, por suas vez, exigem novas competências (ou mais desenvolvidas). O novo ciclo inspira e motiva a agir, a assumir riscos, a fazer diferença, de forma diferente. Se focarmos em obter melhores resultados e performance das pessoas de uma organização, sugiro 6 competências bem especiais, que merecem a atenção dos gestores de hospitais e empresas de saúde para um 2013 diferente e melhor. 1) Auto responsabilização: Tudo começa nela. Ninguém muda de forma perene uma atitude ou hábito sem entender que a responsabilidade é sua, que é você que gera o bom e o ruim na sua vida e na dos outros. Essa é competência rara, embora quase todos se declarem responsáveis. Ela também possui diversas camadas de profundidade. Somente uma constante reflexão e lembrança de sua existência podem ajudar a desenvolvê-la; 2) Inteligência Emocional: de forma bem simplificada, significa escolher como agir ou responder a uma situação sem se perder em emoções negativas (conscientes e inconscientes), que geram diminuição da performance (entre outras coisas). Temos milhares de exemplos da falta dela na área de saúde, particularmente por lidarmos o tempo todo com emoções fortes (como o medo da morte). Vale citar que o ?anestesiamento? ou amortecimento referente às emoções, presente em muitos profissionais da área, significa falta de inteligência emocional; 3) Espontaneidade: a espontaneidade nas empresas (e fora delas) acontece quando as pessoas agem de forma natural, espontânea, e é um dos insumos da criatividade e da inovação, o que permite descobrir novos e melhores jeitos e caminhos para se fazer as coisas, além de gerar e manter a auto motivação. Em uma área que tem diversos protocolos, há o desafio de se encontrar um equilíbrio entre a inovação e o respeito aos processos; 4) Propósito: toda empresa deve ter um propósito, ou razão de existência, claro, significativo e positivo. O mesmo serve para cada indivíduo. Quando estes propósitos se encontram, o efeito pode ser atômico, gerando uma força impressionante no desempenho de ambos. Entretanto, a maioria das empresas e pessoas não descobriram ainda este real propósito, embora muitas divulguem que têm (por uma questão de marketing ou ainda um auto engano); 5) Confiança: ela é a base dos relacionamentos e gera enorme benefícios para todos dentro da empresa, como mais vendas e negócios, maior duração das relações, melhor comunicação etc. Confiança é tudo. Entretanto, não dá para vender gato por lebre. Precisa ser de verdade e isso implica em muitas coisas (coerência, transparência, competência, intenção positiva etc.); 6) Presença: esta característica quase nunca é efetivamente abordada dentro das empresas. Embora seja um dos insumos de uma atuação focada, ela vai bem além. Significa estar aqui e agora, percebendo tudo e 100% atento. É a base para quase tudo de bom. Chega a ser estranho falar de presença. É preciso vivenciá-la. Para desenvolver estas competências, a empresa precisa destinar periodicamente (pelo menos uma vez por mês) um espaço para atividades focadas nelas, como em reuniões específicas, estudos de caso, workshops, jogos, treinamento da liderança, café da manhã etc. A priorização de seu desenvolvimento é o que fará diferença. Se você quer um 2013 melhor para você e sua equipe, sugiro que comece agora a se planejar para promover estas competências. E , com elas, tenho certeza que você terá um Feliz 2013! É o que eu desejo!

Publicidade

Notícias como essa no seu e-mail

Faça como mais de 20.000 profissionais do setor de saúde e receba as últimas matérias no seu email.

Deixe uma resposta